A polícia está no encalço do terceiro suspeito de participar da execução de Roberson Siqueira, conhecido como “Pastor”, 24 anos, dentro do Shopping São José, na noite de domingo, no centro de São José dos Pinhais. Willian Diego de Assis, também de 24 anos, teria dado cobertura, em um veículo Stilo, à dupla que perseguiu e matou a vítima com vários disparos. Os atiradores, Jonas Ismael Gomes Fernandes, 19, e Wellington Diego Gonçalves, 20, foram presos na noite de segunda-feira, conforme divulgado ontem no Paraná Online.

O delegado Osmar Dechiche esclareceu que o crime foi motivado por vingança. Em janeiro, Roberson e seus comparsas tentaram matar o primo de Jonas, Alisson Juliano do Prado, conhecido como “Chupeta”. No tiroteio, uma bala perdida atingiu Sebastiana Padilha, 55, que morreu dias depois no hospital. “A mulher também era ligada à família de Jonas e, a partir de então, Roberson era ameaçado por ele”, informou o delegado.

Caça

Procurado pela polícia e pelo rival, Roberson ficou um tempo fora da cidade. No domingo, Jonas soube que ele estava no shopping. “Ele chamou Wellington e Willian e os três foram atrás do Roberson”, contou Dechiche. Enquanto Willian permaneceu no carro, com duas armas, a dupla entrou no shopping e seguiu o rapaz por quase duas horas.

Quando Roberson -que também estava armado -saiu, Jonas e Wellington pegaram as armas no veículo e partiram na direção do rapaz. De acordo com o delegado, Jonas efetuou os primeiros disparos ainda na rua. Roberson entrou no shopping para buscar proteção, mas, ferido, caiu. A vítima tentou sacar seu revólver, mas foi impedida por Wellington. Em seguida, a dupla executou o rapaz e fugiu com sua arma.

Na delegacia, a polícia apurou que Wellington contava com antecedentes criminais por furto e é acusado de envolvimento num homicídio ocorrido há um ano, no Cajuru. Além disso, ele levou um tiro no olho ao tentar assaltar um policial militar.