Policiais civis da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) prenderam, por volta das 11h de ontem (16), dois homens por receptação de cabos de cobre utilizados pelas empresas de telefonia. Ambos os presos trabalham com sucata e foram detidos em flagrante, no Ferro-velho e Sucata do Zé, no Guatupê, quando negociavam duzentos quilos de fios um com o outro.

José Medina, 58 anos, o dono do ferro-velho, e Valdecir Filippsin, 43 anos, foram capturados após nova investida de policias da DFR para coibir esse tipo de crime. “Temos um trabalho de investigação permanente quanto a este tipo de crime. Fizemos uma abordagem ao ferro-velho e flagramos os dois no momento em que um colocava o cobre furtado no carro do outro”, contou o delegado titular da DFR, Francisco Caricati, destacando que nos últimos meses esse tipo de fiscalização já rendeu apreensões e prisões.

 

“O Filippsin já havia sido preso há 15 dias pelo mesmo crime. Pagou fiança judicial e saiu da cadeia, mas agora está voltando”, contou o delegado.

Caricati destacou que os policiais da especializada seguem com as fiscalizações e com investigações em paralelo que visam prender quem furtou os fios de cobre.

Relevância

 

Quem vê dois homens sendo presos por receptarem uma certa quantidade de cobre furtada pode imaginar que este é um crime de menor relevância. Todavia, o delegado explica que cada vez que se furta uma parte da rede de telefonia se compromete o todo. “As pessoas podem ficar com o telefone mudo. Então, numa necessidade, quando se precisa chamar com urgência uma ambulância ou a própria polícia, por exemplo, a pessoa acaba sem o serviço e penando por não ter um telefone que funcione em casa”, alertou Caricati.