Foto: Chuniti Kawamura
Dias: ?pessoas se dão conta
apenas nesta época do ano?.

Temporada de férias significa aumento pela procura de seguros residenciais. Muitas pessoas aproveitam esta época para viajar e deixam as suas casas sem qualquer tipo de supervisão. O crescimento varia muito conforme as corretoras. Segundo o Sindicato das Seguradoras do Paraná e Mato Grosso do Sul (Sindseg-PR/MS), o incremento pode chegar a 10%. Para evitar surpresas desagradáveis quando as férias terminam, a alternativa pode ser a aquisição deste tipo de produto.

Ao contrário do que muitos pensam, o seguro residencial é muito acessível, não só pelo valor em si, mas principalmente quando se leva em conta a cobertura oferecida.

?Muitas pessoas se dão conta da importância de ter um seguro residencial apenas nesta época do ano?, afirma Ramiro Fernandes Dias, diretor-executivo do sindicato.

Ainda há resistência de muitas pessoas em adquirir uma apólice de seguro residencial, especialmente por compararem erroneamente com um seguro de automóvel. ?Muitos pensam: se o valor para o meu carro é este, imagina da minha casa. Esta correlação é enganosa?, explica Wilson Fontolan, gerente de riscos patrimoniais e de pessoas da Indiana Seguros.

De acordo com ele, uma residência com valor de R$ 150 mil pode ser segurada por R$ 170 por ano, com cobertura também abrangendo roubos. Os riscos diários que uma residência pode sofrer são menores do que os de um automóvel. Acima de tudo, contratar seguro para uma casa compensa até mesmo para evitar dores de cabeça. ?Nesta época do ano, são maiores os índices de roubos e também aumentam os fenômenos da natureza, como temporais, descarga de raios e ventos fortes?, lembra Fontolan. Especificamente em Curitiba, a Indiana Seguros registrou 800 seguros residenciais em dezembro de 2007, contra 470 no mesmo mês do ano anterior.

Existem vários itens que podem compor o seguro residencial, como proteção contra incêndios, quedas de raios, explosões, danos elétricos, vendaval e até mesmo queda de aeronave, além de furtos e roubos de bens que estejam dentro da residência. Ainda há a proteção de responsabilidade civil. Um exemplo disso é a queda de uma marquise, que pode causar danos para outras pessoas.

O pacote básico possui a proteção contra incêndios. O interessado pode adicionar os itens que deseja, como acontece com o seguro de um automóvel, no qual pode-se escolher a cobertura para vidros ou a disponibilidade de um carro extra. ?Há um tempo atrás, se vendia apólices específicas para cada item. A evolução do mercado propiciou a contratação de pacotes. Além da tranqüilidade, existem os serviços adicionais, como assistência 24 horas com eletricistas, encanadores, chaveiros e até conserto de equipamentos. Acaba valendo a pena?, comenta Fontolan.