Duas mulheres foram presas por policiais civis da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) suspeitas de traficar drogas no centro de Curitiba. Lucile Wisnievski, 31 anos, e Jacquelina de Fátima Martins, 26, foram presas na Praça Tiradentes, onde, segundo a polícia, estariam vendendo entorpecentes, há cerca de cinco anos.

O taxista Marcos da Silva Araújo, 37, também foi detido mediante mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. Ele foi indiciado por associação ao tráfico de drogas.

“As investigações começaram a partir de várias denúncias anônimas, feitas principalmente pelo 181 -Narcodenúncia, informando que Lucile traficava drogas com freqüência na região central”, disse o delegado da Denarc, Cassiano Aufiero. A polícia apurou que Lucile atuava acompanhada de Jacquelina e recebia ajuda do taxista.

“Ela era levada para o centro por Marcos, que sabia das atividades criminosas de Lucile e a avisava sobre a presença de policiais na região”, afirmou o delegado. No entanto, Cassiano lembrou que o taxista não participava da venda das drogas e não recebia dinheiro do tráfico.

“Ele será indiciado por associação para o tráfico. Fica um alerta aos taxistas. Mesmo que não participem da venda, podem ser presos por auxiliar os traficantes”, alertou.

Flagrante

A prisão aconteceu na tarde de terça-feira. A polícia tinha a informação de que as mulheres, para evitar a prisão em flagrante, escondiam as pedras de crack na boca.

“No momento que abordamos a dupla, elas tentaram esconder nove pedras, mas foram rapidamente impedidas pelos policiais”, lembrou o delegado. Após a prisão das duas, a polícia foi até a casa de Lucile, em Pinhais, onde encontrou mais 200 pedras de crack e 12 gramas de maconha.

O mandado de prisão do taxista foi cumprido em sua residência, no Uberaba. As mulheres foram encaminhadas ao Centro de Triagem I, no centro de Curitiba, enquanto que Marcos foi levado para o Centro de Triagem II, em Piraquara.

“Conseguimos acabar com forte esquema de tráfico de drogas no centro de Curitiba. As informações são de que as detidas atuavam na região há cinco anos”, finalizou Cassiano.

De acordo com a polícia, já foi identificado o homem que fornecia as drogas às mulheres. Ele está preso em São Paulo. Há suspeita de envolvimento de outra pessoa no esquema, que ainda não foi identificada.