O delegado Alfredo Dib, da Delegacia de Furtos e Roubos, solicitou a transferência em caráter de urgência, do detento José Adão da Luz, também conhecido como “Guardinha”, preso no início do mês portando 50 gramas de cocaína. “Este homem foi uma das testemunhas da CPI do Narcotráfico (ocorrida em 2000) e denunciou policiais e políticos. O xadrez da delegacia não é seguro para ele, já que entre os detentos a pena para `dedo-duro’ é a morte”, salientou Dib. Ele disse que José Adão está recolhido em uma cela separada dos outros detentos para evitar represálias. “Mas corremos o risco da delegacia ser invadida. Por isso a nossa pressa em transferi-lo para o sistema penitenciário”.

Prisão

José Adão foi preso junto com João José de Oliveira Santos, o “Ika”, às 16h de segunda-feira em um sobrado na Rua Manoel Martins de Abreu, Vila das Torres. As investigações estavam sendo realizadas para descobrir o autor do furto de uma pistola, que ocorreu em maio, em uma pensão na Rua Saldanha Marinho, no centro da cidade. Três homens entraram lá e levaram a arma e cem reais de um hóspede. O proprietário registrou queixa na Delegacia de Frutos e Roubos. A partir disso a polícia identificou e prendeu os três ladrões. Um deles, conhecido como “Bad Boy”, confessou o crime e disse que havia trocado a pistola por dez pedras de crack e recebeu mais R$ 250,00 de um traficante na Vila das Torres. De posse do endereço o delegado solicitou o pedido de busca e apreensão. Na casa a polícia encontrou cocaína, uma pedra de crack e 63 notas de R$ 1,00.