Edson, Milton, Marcelo e
Luciano: prisão temporária.

Um grupo de jovens acusado de matar o trabalhador autônomo Rodrigo Fernandes da Costa Moreira, 21 anos, no dia 12 de outubro, foi preso por policiais da Delegacia de Homicídios. A vítima foi assassinada a pauladas, socos e pontapés. Foram detidos Marcelo Leite da Silva, 22 anos, o “Cabelo”; Milton Ferreira de Souza, 21, mais conhecido por “Quico”; Edson Antônio Ribeiro Alves, 36, o “Etio” ou “Mãozinha” e Luciano Henrique Flores de Souza. Um adolescente também foi apreendido e encaminhado à Delegacia do Adolescente.

A partir do assassinato de Rodrigo, que começou a apanhar na Rua Vitor Kotovis e depois foi arrastado até um bosque nas imediações – local onde foi encontrado morto -, investigadores da DH descobriram que o espancamento foi motivado por uma acusação de furto. Segundo os presos, Rodrigo teria invadido e furtado objetos da residência de um vizinho deles, no Abranches.

Surra

O grupo, com exceção de Luciano, encontrou com a vítima na rua e resolveu aplicar-lhe um corretivo. Marcelo, Milton e Edson desferiram socos e pontapés no rapaz, sob o pretexto de que a surra serviria de lição para que Rodrigo não cometesse mais furtos na região. Depois de baterem bastante na vítima, os amigos foram até um bar nas proximidades comemorar o fato.

O grupo assume a autoria da surra, mas diz que quando abandonou Rodrigo, ele ainda estava vivo. “Íamos só dar uns tapas nele. Não o levamos para o bosque. Outras pessoas devem ter terminado o serviço”, explicou Milton.

Os três acusados afirmam que Luciano não participou da ação em nenhum momento. Participaram das diligências os policiais Jairo, Marcos, Pontes, Santos, Paulo e Gilmar, sob o comando dos delegados Marco Antônio de Goes Alves e Stélio Machado. Exceto Edson, os demais foram presos em suas residências, no Abranches, pelos investigadores. Edson ficou preso ao se apresentar à DH. Todos estavam com mandado de prisão temporária decretada pela Justiça.