Foto: Átila Alberti/O Estado
Marcos nega participação.

Sete anos depois do incêndio criminoso que destruiu a sede da Promotoria de Investigação Criminal (PIC), um dos acusados de atear fogo no prédio foi preso por policiais da delegacia de Fazenda Rio Grande. Marcos Aurélio Gonçalvez de Pinho, 30 anos, foi detido na quarta-feira.

De acordo com o delegado Antônio Rocha, Marcos já estava com mandado de prisão decretado, e foi preso a partir de denúncia anônima feita à Central de Polícia. ?Por ser um preso de alta periculosidade ele será transferido para Curitiba?, disse.

Marcos alegou que não participou do incêndio e que não sabia que estava com mandado de prisão decretado. ?Eu apenas morava com um dos envolvidos. Compareci a algumas audiências e fui inocentado. Depois de cinco anos reabriram o processo e então tive a prisão decretada?, alegou.

De acordo com a PIC, o advogado Antônio Pellizzetti e o policial civil Mauro Canuto de Castilho e Souza Machado, acusados de participação direta no incêndio, estão foragidos.