O motorista e detetive particular Lauri Antônio Marinho dos Santos, 45 anos, foi preso em flagrante no final da tarde de quarta-feira, e autuado pelo 1.º Distrito Policial (centro), por atentado violento ao pudor e corrupção de menor. Ele teria abusado de um adolescente de 13 anos, no Passeio Público.

Segundo contou o soldado Paulo César, do Pelotão de Motos do 12.º Batalhão, a Polícia Militar recebeu denúncia, via 190, e flagrou Lauri, por volta das 17h, com o zíper da calça aberto e o pênis ereto, sentado ao lado do garoto.

O adolescente disse que, além do motorista ter se masturbado ao seu lado, queria que ele passasse as mãos em suas pernas e em seu pênis. Para isso, prometeu dar ao garoto dinheiro e um celular. Tudo o que o garoto contou foi gravado, duas vezes, no telefone celular do soldado Schaefer.

Segundo Adolfo Rosevics Filho, superintendente do 1.º DP, o acusado, após ser autuado em flagrante, foi encaminhado ao Centro de Triagem II, em Piraquara. “Lauri obrigou o adolescente a masturbá-lo”, afirmou Adolfo.

Retaliação

Lauri alegou que é inocente e que a prisão foi armação. Formalmente, ele dirige ônibus adaptado a crianças portadoras de necessidades especiais há oito anos. No entanto, está há cinco meses afastado do trabalho para tratamento de saúde (estresse).

O outro emprego é de detetive particular. Lauri revelou que é contratado para descobrir bens de pessoas inadimplentes. “Acho que pode ser alguma retaliação a algum desses trabalhos que fiz”, disse. Lauri tem passagem pelo 11.º DP (CIC). Diz que foi uma pessoa que se sentiu lesada pelo seu trabalho de detetive e deu queixa dele na delegacia.

Segundo apurou o soldado Paulo César, o adolescente assediado por Lauri estava matando aula e sozinho no centro. O caso será encaminhado ao Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria).