Sidnei e Júlio são acusados
de vários roubos a motoristas.

Após nove meses de investigações, a Delegacia de Colombo colocou na prisão os dois acusados de matar o taxista Jahir Pires do Nascimento, 61 anos. O motorista Sidnei José Leite, 26 anos, e um adolescente, de 17, são apontados como os autores do crime, cometido em 26 de agosto de 2002, numa estrada vicinal perto do Parque do Embu, bairro Roça Grande. O serralheiro Júlio Carvalho Batista, 21, que não participou do latrocínio mas estaria envolvido em outros assaltos a taxistas junto com a dupla, também foi preso.

Há alguns meses a polícia tinha indícios da participação do menor na morte de Jahir. O jovem chegou a ser interrogado e negou a culpa, mas a apreensão de um revólver calibre 32 em seu poder, na semana passada, trouxe a prova que faltava. “O exame de balística comprovou que foi a arma usada no crime”, disse o delegado da cidade, Erineu Portes.

Confissão

O menor acabou confessando o assassinato e disse que agiu com Júlio, que foi preso na terça-feira. Este admitiu ter participado de dois roubos a taxistas de Curitiba em 2002, ambos em companhia do menor, e um deles também com Sidnei. “Nas duas vezes, trancamos o motorista no porta-malas”, contou Júlio. No último caso, ocorrido antes do latrocínio, a vítima conseguiu libertar-se e sair do carro em movimento.

Júlio negou ter participado da morte de Jahir, mas, segundo o delegado, denunciou o envolvimento de Sidnei, detido quinta-feira. À imprensa, este disse que conhecia o menor e sabia da morte do taxista, mas isentou-se de culpa. Em declaração oficial à polícia, assumiu que estava com o adolescente e contou detalhes do assassinato.

Reação

De acordo com o depoimento, no dia do crime Sidnei e o menor caminhavam em direção a um ponto de ônibus, no Juvevê, para voltar ao Jardim Santa Cruz, em Colombo, onde moravam. O menor teria sugerido roubar um taxista e a vítima escolhida foi Jahir, parado com o Fiat Uno em um ponto na Rua João Gualberto. O motorista seguiu em direção a Colombo e recebeu voz de assalto no Boa Vista. “Numa rua deserta, colocaram a vítima no porta-malas. Sidnei assumiu o volante e seguiram para Colombo”, relatou o delegado.

Já na Rodovia da Uva, a dupla entrou à direita numa rua de chão batido e chegou aos fundos do Parque do Embu. Segundo Sidnei, Jahir foi retirado do porta-malas e o menor mandou que deitasse de bruços no chão. Mas o taxista teria levantado rapidamente e tentou tomar a arma do adolescente. Este reagiu, atirando três vezes – só o último disparo atingiu a vítima, nas costas. “Você me acertou”, teria dito Jahir, enquanto a dupla apanhava o Uno e fugia.

O carro foi abandonado e localizado no dia seguinte na Colônia Antônio Prado, a quatro quilômetros de distância. O toca-fitas havia sido retirado e ficou com o menor, segundo Sidnei. O taxista morreu no local e só na manhã do dia 27 um morador da Roça Grande encontrou o corpo. Sidnei disse ainda que, após o tiro no taxista, telefonou para a Polícia Militar e sem se identificar descreveu o local onde estava a vítima.

Segundo o delegado Portes, o menor tem participação comprovada em pelo menos cinco assaltos a taxistas – um teria sido em companhia de Sidnei, outro com Júlio e outro com ambos. Nos dois restantes, um menor, morador do Jardim Guaraituba, seria o comparsa. “Investigamos ainda a relação deles com o assassinato de outro taxista na Estrada da Itajacuru, em Colombo”, disse Portes.