Cinco homens foram presos, suspeitos de envolvimento com a morte de seis pessoas, na noite de sexta-feira, no Barreirinha. Ezequiel Gomes dos Santos, 26 anos, Ubiratan Xavier Fontoura, 46, Omar Vinícius Lopes Nascimento, 22, Adriano Martins Ribeiro dos Santos, 19, e Mário César dos Santos, 21, foram localizados na segunda-feira e na manhã de ontem. Com eles, a polícia apreendeu armas, drogas e veículos.

O delegado Hamilton da Paz, da Delegacia de Homicídios, confirmou que a chacina foi motivada por disputa entre dois grupos rivais, para dominar o tráfico de drogas na região do Jardim Arroio. Segundo a polícia, esse ponto era controlado pelo traficante Marcelo Stocco, preso em novembro do ano passado. A partir daí, Ubiratan passou a disputar a liderança das vendas com Juarez de Moraes.

Atentado

Em meados de janeiro, Ubiratan sofreu um atentado, que teria sido organizado pelo rival. Embora não tenha se ferido, ele teve seu carro – um Voyage incendiado. Como consequência, o grupo de Ubiratan se vingou e matou a tiros um adolescente de 17 anos, ligado ao grupo de Juarez.

“Ubiratan se sentiu ameaçado, com receio de perder o ponto de venda, e avisou Ezequiel, que era o fornecedor da droga. Ezequiel contratou três pessoas para matarem Juarez e duas meninas que vendiam droga para ele”, relatou o delegado Hamilton da Paz. Os contratados eram Omar, Mário e Adriano, segundo a polícia.

Alvos

De acordo com o delegado, Juarez só não foi morto na chacina porque não estava no barraco na hora do crime. Os assassinos queriam, além de Juarez, Valéria Neves da Luz, 17, e Cristiane Antunes da Silva, 16, que foram mortas. André Antônio de Moraes, 28, foi executado por ser irmão de Juarez. Marcelo Rodrigo Estevam, 22, Márcia Andressa Medeiros, 26, e Anderson Carvalho dos Reis, 24, morreram apenas porque estavam no local.

De acordo com o delegado, Mário, Adriano, Omar e Ezequiel confirmaram participação na chacina. “Eles irão responder ainda por homicídio, receptação, porte ilegal de arma, roubo e furto”, afirmou o delegado. Eles foram encaminhados ao Centro de Triagem II, em Piraquara.

Participação de cada um

Na manhã de segunda-feira, Ubiratan foi abordado perto de sua residência, no Barreirinha. Ele estava com 11 buchas de cocaína e uma pedra de crack. Na casa, ainda foi encontrada pequena quantidade de droga.

O delegado Hamilton da Paz afirmou que Ubiratan não teve participação direta na chacina, mas irá responder por formação de quadrilha, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Armas

Ontem, a polícia localizou os quatro envolvidos no crime. Mário e Adriano, que teriam efetuado os disparos, foram presos no Sítio Cercado. Omar, que deu cobertura à dupla, foi detido em Pinhais.

Com eles, foram apreendidos um Siena vermelho, um Kadett bordô, dois revólveres calibre 38, e placas e documentos de veículos roubados. “Os três já respondiam por roubo”, disse Hamilton.

No Santa Cândida, foi preso Ezequiel, traficante que teria contratado o trio e fornecido as armas. Ele estava em liberdade provisória e foi flagrado com a pistola calibre 40, usada na chacina.