Dois dos três acusados de matar o estudante Bruno Strobel Coelho estão presos novamente. Marlon Balen Janice e Douglas Rodrigo Sampaio Rodrigues, à época funcionários da empresa de segurança privada Centronic, já foram detidos pela polícia, que cumpre mandados de prisão preventiva decretados pela juíza Joseane Ferreira Machado Lima. O terceiro suspeito, Eliandro Luiz Marconcini, deve se entregar nas próximas horas, segundo familiares. Caso contrário, será considerado foragido da Justiça.

Os mandados de prisão preventiva foram expedidos nesta sexta-feira (2). Janice e Rodrigues foram presos por homens do Centro de Operações Policiais Especiais da Polícia Civil (Cope). Os policiais foram à casa de Marconcini, no Sítio Cercado (zona Sul de Curitiba), neste sábado (3), mas ele não estava em casa. Os pais dele informaram que entrariam contato com o advogado do filho para que ele fosse convencido a se entregar, explicou o delegado titular do Cope, Miguel Stadler.

Os três ex-seguranças privados são acusados de matar Bruno, 18 anos, em outubro do ano passado. Eles contaram à polícia que flagraram o jovem pichando os muros de uma clínica médica no Alto da XV. Por causa disso, segundo a polícia, Janice e Marconcini o amordaçaram e espancaram, além de aplicarem a tinta spray sobre o rosto dele. A polícia acredita que as agressões ocorreram na sede da Centronic. Depois, Bruno foi colocado num carro da frota da empresa e levado a Almirante Tamandaré, onde foi executado com um tiro na cabeça.

Saiba mais:

Vigilantes suspeitos de crime conseguem habeas corpus

Segurança da Centronic diz que não queria matar

Vigilantes da Centronic prestam depoimentos