Foto: Arquivo

Paz lembra que testemunhas deram versões diversas.

Assim que souberam de seus mandados de prisão, os três policiais militares da Rondas Ostensivas de Naturezas Especiais (Rone), acusados de matar o agricultor Deiviti Maicon dos Santos, 19 anos, apresentaram-se à Polícia Civil de Colombo. Estão presos o cabo Marcos Dorse Marinho, 35, e os soldados Wilson Clemente, 33, e Leonel Lourenço de Faria Júnior, 27. Deiviti e seu primo, Tiago Luís Machado, 21, foram baleados pelos policiais no último dia 15, quando saíam da Festa do Vinho, em Colombo.

De acordo com o delegado Hamilton Cordeiro da Paz, da delegacia de Colombo, as prisões preventivas foram concedidas ontem. Em novo depoimento, os policiais reafirmaram sua primeira versão, de que Deiviti foi baleado porque tentou fugir e reagiu a tiros à abordagem policial. Os policiais dizem que Tiago foi preso por desobediência, porque tentou escapar. Do outro lado, revelou Hamilton, testemunhas deram a mesma versão de Tiago, de que os dois não reagiram a nenhuma abordagem e sequer Deiviti estava armado.

Provas

O que deverá comprovar quem está falando a verdade serão laudos do Instituto Médico-Legal e do Instituto de Criminalística. Entre eles o de balística na pistola calibre 380, que os policiais afirmam ter sido usada por Deiviti, e o residuográfico, para ver se o rapaz usou alguma arma de fogo, além de um exame de local de impacto de projétil em um muro próximo.

Os policiais ficarão recolhidos no Quartel Geral da Polícia Militar até o término das investigações. Tiago responde a termo circunstanciado porque conduzia a motocicleta sem habilitação.