A Delegacia de Pinhais prendeu sábado, três dos quatro acusados do latrocínio cometido na madrugada de sexta-feira, dentro de um bar no Jardim Weisópolis. Um acidente com o Chevette 75 roubado da vítima, o vendedor Paulo Ricardo de Melo, 23 anos, foi fundamental para a captura dos suspeitos, entre os quais um menor de idade. Outro suposto envolvido, que também tem menos de 18 anos, foi identificado mas está foragido.

Paulo foi morto com um tiro nas costas durante assalto cometido por quatro indivíduos num bar da Rua Paranapanema. O rapaz comemorava com amigos a compra do Chevette, levado pelos ladrões. Na tarde de sexta-feira, o veículo envolveu-se num acidente no Jardim Holandês, Piraquara, no qual um dos ocupantes sofreu ferimentos e foi levado ao Hospital Cajuru.

Sabendo do acidente, o superintendente Cordeiro e o investigador Valdemir, ambos da DP de Pinhais, foram ao hospital e interrogaram o ferido, Cláudio Oliveira Alves, 18 anos, conhecido como “Macaco”. “Ele disse que foi atropelado pelo Chevette. Depois vimos que o carro não tinha marcas de atropelamento, e sim de colisão”, disse Cordeiro.

Reconhecidos

Pessoas do convívio do suspeito denunciaram a participação dele no latrocínio e forneceram nome e endereço dos outros acusados. Édson dos Santos, 18 anos, o “Codorna” e um garoto de 16 anos foram detidos no Jardim Holandês, quarto suspeito, de 15, conseguiu fugir. “Eles dizem que acharam o carro abandonado e o apanharam para dar umas voltas. Mas foram reconhecidos por uma testemunha do bar”, disse o superintendente, acrescentando que cinco testemunhas reconheceram Édson e o menor detido – Cláudio continua internado e por isso não foi confrontado. O adolescente foragido foi apontado como autor do tiro que matou Paulo – informação que será averiguada com o depoimento de outros presentes.

Segundo Cordeiro, os detidos não tinham antecedentes criminais e são filhos de famílias de trabalhadores honestos, oriundos do interior do Paraná. “Serve como alerta para os pais afastarem dos adolescentes as más influências”, falou. A arma usada para matar Paulo Ricardo teria sido atirada em um rio – a polícia vai pedir o resgate dela ao Corpo de Bombeiros.