A polícia prendeu nesta semana, três homens no Litoral, suspeitos de abusarem sexualmente de menores. Entre os presos está um professor de informática de Pontal do Paraná, suspeito de abusar de seis alunas, um homem que raptou uma garota na saída da escola em Morretes e o terceiro, suspeito de molestar uma menina de nove anos, no balneário Marissol, em Pontal.

A última prisão aconteceu na manhã desta quarta-feira (20).  Policiais militares do 9.º Batalhão, que estavam no módulo de Morretes, foram procurados por uma garota de 16 anos, dizendo ter sido abusada na noite anterior, por um homem conhecido como “Tatá”. Ela disse que foi coagida após sair da escola, na Vila Martha, por volta das 23h, e obrigada a fazer sexo oral com o homem, que a ameaçava com um pedaço de madeira.

Horas depois do relato, os PMs prenderam Evanildo Barboza Batista, 26 anos, apontado pela garota como sendo o abusador. Ele foi conduzido para a delegacia da cidade. “A vítima já foi ouvida e ele interrogado. Estamos aguardando apenas os laudos periciais, mesmo assim, ele foi autuado por estupro”, informou o delegado Lauro Gritten.

Professor

Dois dias antes, a polícia de Pontal do Paraná prendeu o professor de informática Gláucio Willian Fernandes Gonçalves, 32 anos, que segundo a investigação, abusou de pelo menos seis alunas, uma delas cadeirante.

“Aproveitava-se da condição e dever de ensinar, para passar a mão no corpo das menores. Ao invés de ensinar e dar uma boa orientação, praticava atos libidinosos”, definiu o delegado Iberê Toniolo, em uma nota. As seis meninas foram ouvidas na delegacia e encaminhadas para receber atendimento psicológico. Toniolo acredita que mais vítimas podem aparecer na delegacia nos próximos dias.

Preso no bar

O primeiro detido da semana foi Roberto Pereira. Ele foi denunciado pelo abuso de uma menina de nove anos. A menina brincava na casa de uma amiga em Pontal, quando supostamente foi raptada e abusada por ele. Dias depois, a vítima passava em frente um bar, no balneário Marissol e reconheceu Roberto, que bebia com amigos. Ela contou sobre o abuso para um primo de 13 anos, que avisou os pais dela. No mesmo dia, chamaram a polícia, que prendeu o suspeito.