Foto: Lucimar do Carmo
Odeir de Oliveira diz que já virou ?freguês? dos marginais.

As comunidades dos bairros Sítio Cercado e Alto Boqueirão, em Curitiba, não agüentam mais os constantes assaltos na região. Na próxima terça-feira, vão fazer uma manifestação pedindo mais segurança. Os bandidos ameaçam as vítimas com armas de fogo e agem com extrema violência. Há vários relatos sobre pessoas que perderam a vida e outras que foram agredidas.

O vice-presidente da Associação Comunitária Amigos do Bairro, José Bernardes, diz que a situação chegou a um ponto em que a população não agüenta mais tanta violência. Ele lembra que há alguns dias, numa loja do material de construção do bairro, os proprietários foram espancados, pessoas que passavam pela rua pediram ajuda e os assaltantes acabaram sendo mortos pela polícia. Em outro estabelecimento, o proprietário foi morto. Ele estava com uma faca cortando frios, o assaltante se assustou e fez os disparos.

Basta andar pelo bairro e conversar com os comerciantes para ouvir outros relatos. O dono de uma panificadora, Odeir de Oliveira, conta que já virou ?freguês? dos marginais. Nos últimos oito meses, foi assaltado sete vezes. O mais curioso é que eles chegam de bicicleta como um cliente qualquer, dão voz de assalto e depois desaparecem pelas ruas que cortam o bairro. O comerciante não sabe calcular o prejuízo.

O dono de uma loja de utilidades, Oldair de Araújo, diz que também tem medo dos bandidos. ?Eles estão levando qualquer quantia. Eu queria deixar minha filha cuidando da loja para ir trabalhar fora, mas não tenho coragem?, comenta.

Evandro Martins diz que abriu a loja de produtos eletrônicos há um mês e sabe que precisa investir em segurança. Vai contratar uma empresa de alarme monitorado e todas as vitrines onde expõem as mercadorias ficam cadeadas. ?Mesmo assim sei que não estou seguro?, diz.

A manifestação está programada para a próxima terça-feira. Esta semana, a associação comunitária distribuiu cerca de 30 mil panfletos convidando os moradores para participarem. A passeata começa na Rua São José dos Pinhais e Ourizona e seguirá pelas principais ruas e avenidas da região.