Seis pessoas suspeitas de fazer parte de quadrilha que trazia droga de táxi do Paraguai foram presas, na tarde da última terça-feira, por policiais civis da delegacia de Paiçandu, distante 15 quilômetros de Maringá.

Com o bando, foram apreendidos dois quilos de crack, R$ 13 mil em dinheiro e o táxi Astra modelo 2009. A polícia estima que a quadrilha tenha movimentado mais de R$ 1 milhão em crack só neste ano.

Num hotel, no centro de Paiçandu, foram presos um paraguaio responsável pela venda da droga e o taxista que transportava o crack. Ambos viajavam com as respectivas esposas para evitar suspeitas. As mulheres também foram detidas. Além deles, foram presos o receptor da droga e o traficante que a distribuía.

O delegado, José Nunes Furtado, da delegacia de Paiçandu, contou que, a partir de denúncia anônima, a droga foi localizada enterrada no quintal da casa de um dos suspeitos. Ele contou à polícia que o esquema funcionava desde o ano passado.

O crack era comprado na cidade paraguaia de Salto del Guairá e transportado em um táxi até Paiçandu, onde a droga era repassada a traficantes que a vendiam no varejo.

Durante o interrogatório, os suspeitos confessaram que já tinham feito a mesma viagem anteriormente. O delegado acredita que a quadrilha já levou mais de 20 quilos de crack para Paiçandu. Os dois quilos da droga renderiam cerca de 10 mil pedras de crack, avaliadas em R$ 100 mil.

Flagrante

O delegado explicou que a quadrilha já era monitorada pela Polícia Civil, que esperou os seis se reunirem para prendê-los. Todos foram autuados por tráfico de drogas, associação ao tráfico e formação de quadrilha e estão detidos na delegacia de Paiçandu à disposição da Justiça da comarca de Maringá.