Agenor quis se esconder no
balcão, mas não conseguiu.

Agenor Pierri Neto, de 28 anos, foi assassinado com dois tiros enquanto se divertia na Lanchonete Califórnia, na Rua Saracura, às 21h30 de domingo. Um amigo que o acompanhava quase foi atingido por um terceiro tiro, mas conseguiu escapar se escondendo na cozinha da lanchonete. A polícia de Araucária já identificou o assassino como Júlio César Rodrigues da Silva, de 24 anos. O delegado Jairo Estorílio já representou pela prisão preventiva do acusado e espera que ele seja preso em pouco tempo.

Júlio César, Agenor e o amigo dele, Marcelo Lima da Costa, de 22 anos, são todos moradores do Jardim Califórnia. Marcelo, que escapou do assassino, contou ao investigador Valdir que no sábado à noite ele e Agenor tinham se encontrado com Júlio César em um bailão da cidade. Houve discussão – o rapaz não soube explicar o motivo da briga – e os três acabaram trocando tapas no terminal de ônibus, depois que saíram do bailão. No entanto, ainda segundo Marcelo, ao chegarem no ponto final do coletivo, Júlio César e Agenor teriam se acertado, colocando um ponto final na briga.

Vingança

Mesmo assim, Júlio César parece ter apenas aguardado o momento certo para se vingar. De acordo com testemunhas que estavam na lanchonete na noite de domingo, ele entrou no local já atirando. Atingido, Agenor correu para trás do balcão, tentando se proteger. Marcelo foi para os fundos da lanchonete e os demais presentes – inclusive o dono do estabelecimento – só tiveram tempo de se jogar no chão. O atirador conseguiu atingir Agenor mais uma vez, e antes de sair correndo ainda disparou na direção de Marcelo. Agenor, caído, chegou a pedir que chamassem o Siate, mas quando os socorristas chegaram ele já estava morto. O rapaz era funcionário da empresa Bosch.