O julgamento de Vilson Cezar Plombom, 24 anos, anteontem no Tribunal do Júri, deu fim ao caso de assassinato da adolescente Luana dos Santos Gonçalves, 16, morta com um tiro na cabeça em 9 de março de 2009, nas Moradias Caiuá, Cidade Industrial. O jovem foi condenado a oito anos de prisão por homicídio.

O rapaz é cunhado de Sandro Luiz Bueno, 32, padrasto de Luana, que participou do homicídio, mas foi condenado apenas por ocultação de cadáver. Ele cumpriu dois anos e nove meses de prisão e está em liberdade.

Como Vilson cumpriu quatro anos em regime fechado, a lei prevê que ele seja libertado em poucos dias. Se quiser ficar longe do presídio, Vilson não poderá ingerir álcool, deverá estar em casa antes das 22h e prestar contas de sua vida mensalmente ao juiz.

Vício

Os dois cometeram o crime porque Luana tinha roubado dentro de casa. Ela estava morando na rua havia três meses, por causa do vício em crack. Um dia antes de ser morta, ligou pedindo R$ 100 à mãe, para quitar dívida de drogas. Com a resposta negativa, foi até a residência e roubou uma televisão.