Com um tiro no peito, um no braço e outro na cabeça, Walace Luiz Rodrigues da Silva, 23 anos, foi assassinado, em um terreno baldio, na Rua Iguaçuí, continuação da Rua Tijucas do Sul, no Osternack, Ganchinho.

O crime aconteceu por volta de 15h15 e o assassino não se importou com as pessoas que passavam pelo carreiro, nem com os meninos que brincavam na rua. Atirou e correu.

Ao lado do corpo de Walace ficaram uma faca, uma tesoura, alguns plásticos, possivelmente utilizados para embaçar pedras de crack e uma marica (cachimbo utilizado para fumar crack). Segundo os policiais Silva e Cardozo, do 13.º Batalhão de Polícia Militar, quando chegaram no local, o rapaz já estava morto.

Avó

Há pouco mais de um ano, logo que seu filho nasceu, Walace saiu de casa e passou a viver nas ruas do Ostenack. De vez em quando, passava na casa de parentes para comer e pedir algum dinheiro. Na final da manhã de ontem, ele havia passado na casa da avó, tinha almoçado e estava desesperado para conseguir R$10,00.

“A gente sabia que era para usar droga, mas sempre que eu tinha eu dava, pois assim evitava que ele roubasse. Mas hoje eu não tinha dinheiro”, lamentou a avó, Maria Aparecida da Silva.

Segundo ela, o neto havia tentado largar o vício várias vezes. Teria se internado e ficado mais de seis meses longe das drogas. “Ele ia na igreja e a gente achava que nunca mais ia ter problemas com ele. De repente, o vício foi mais forte e ele caiu”, completou. O investigador Gabardo, da Delegacia de Homicídios, disse que familiares e amigos de Walace serão ouvidos para ajudar na investigação.