Foto: Lucimar do Carmo
Guarda observa câmeras.

Quem anda pelas principais ruas de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, está se sentido mais seguro. É que a Prefeitura do município implantou um sistema de monitoramento eletrônico por câmeras, que controlam o movimento 24 horas por dia. A proposta, além de inibir a criminalidade, faz parte de um investimento em tecnologia que pretende incluir a cidade no conceito de ?cidade inteligente?.

O trabalho de monitoramento é feito pela Guarda Municipal, de uma central que conta com 37 monitores de LCD (display de cristal líquido), de 19, 25 e 42 polegadas, todos com alta resolução. As imagens são captadas por 21 câmeras do tipo speed dome, que giram 360º e têm zoom com alcance superior a 1,5 mil metros, além de permitir nítida visibilidade noturna. As câmeras foram instaladas em postes identificados que ficam a uma altura de 18 a 15 metros. Além de vias centrais, como a XV de Novembro, os equipamentos foram colocados em ruas de bairros distantes, a exemplo da Borda do Campo, Quissisana e Afonso Pena.

Todas as imagens captadas pelas câmeras podem ser guardadas por até 60 dias, pois a Prefeitura possui um Datacenter com capacidade de armazenamento de até 13 terabytes. De acordo com o secretário de Segurança de São José dos Pinhais, Ariovaldo Gouveia, o município irá investir cerca de R$ 670 mil em todo o programa de monitoramento, sendo que cada unidade, incluindo a câmera, posto e instalação custam em média R$ 17 mil. A previsão para 2008, segundo o secretário, é atingir 80 equipamentos instalados. A proposta é que além de vias públicas, eles monitorem ambientes internos com grande circulação de pessoas, tanto em prédios públicos como comerciais.

Resultados

Apesar de não possuir dados oficiais do número de ocorrências policiais na cidade, o secretário afirmou que já perceberam que o monitoramento inibiu as ocorrências. ?O resultado imediato foi à confiança da população e a inibição do número dos vândalos?, declarou. Ele disse que a outra vantagem do monitoramento eletrônico é a prevenção através do fator inibidor pelo próprio ambiente vigiado, que é identificado por placas informativas em todas as áreas protegidas.

Segundo Gouveia o sistema também está auxiliando o trabalho da Guarda Municipal, que hoje consegue comparecer ao local da ocorrência de seis a dez minutos após o chamado. 

Município gastou R$ 10 mi com tecnologia

O sistema de monitoramento eletrônico da cidade faz parte de um investimento da Prefeitura em infra-estrutura de tecnologia, que só nos últimos três anos atingiu cerca de R$ 10 milhões. Hoje, mais de 1,5 mil computadores do município são interligados, devendo fechar o ano de 2007 com mais de 100 unidades interligadas, incluindo postos de saúde, ginásios de esportes, autarquias e unidades administrativas.

Onze torres de transmissão de dados wireless estão instaladas em pontos estratégicos, permitindo a ?iluminação? de praticamente toda a extensão territorial do município. Esta infra-estrutura tecnológica permite que a Prefeitura disponibilize o acesso à internet em banda larga gratuitamente em escolas, creches, igrejas, associações de moradores e mesmo em parques e praças públicas. (RO)

População aprovou o sistema

Nas ruas, a novidade começa a chamar a atenção da população, que aprovou o novo sistema de monitoramento, que já ganhou o apelido de ?big brother?. O comerciante Jacob Freire, que há dois anos trabalha na feira livre da Rua XV de Novembro, afirmou que sentiu a diferença na segurança. ?Se existe uma gangue nas proximidades, eles já são abordados para polícia?, falou. Vítima de roubos por diversas vezes, Freire aposta que agora a situação ficará melhor. ?Apesar de alguns acharem que isso tira a liberdade, para nós que trabalhamos na rua, foi muito bom?, falou.

O comerciante Álvaro Alves também aprovou a iniciativa, e disse que, por experiência própria, acredita que o monitoramento irá inibir a criminalidade. ?Dentro da minha loja em tenho uma câmera, e muitas vezes quando o marginal vê que está sendo filmado, sai sem praticar o crime?, comentou. (RO)