As famílias de trabalhadores rurais sem terra que deixaram a fazenda Pitanga, em Uniflor (a 49 km de Maringá, no Noroeste do Estado) na sexta-feira, permanecem acampadas a margem da rodovia PR-463, que liga Nova Esperança à Colorado. Cerca de 20 homens do 8.º Batalhão da Polícia Militar de Paranavaí, estão fazendo policiamento na região. A situação é considerada tranqüila no local.

Os sem-terra estavam na fazenda desde terça-feira passada, mas na madrugada de sexta-feira um grupo encapuzado invadiu o acampamento tentando inibir as famílias disparando tiros de revólveres. O integrante do MST Emílio José Teixeira, 24 anos, foi ferido com três tiros. A desocupação da fazenda aconteceu pela manhã, depois de duas horas de negociações com a PM.

Desapropriação

As mais de cem famílias prometem ficar acampadas na rodovia – cerca de cem metros da fazenda Pitanga – até que seja desapropriada uma área na região para assentamento. O coordenador regional do MST no Noroeste, Valmir Stronzake disse ontem que o movimento tem esperança que o governo irá encontrar uma local definitivo para as famílias. “Nós confiamos no governo Lula, pois os latifundiários não querem negociar, só querem a violência”, disse. Ele informou também que o sem-terra baleado continua internado no Hospital Universitário de Maringá, em observação.