A polícia paranaense descartou a possibilidade de Adriano da Silva estar envolvido com o desaparecimento da garotinha Luana Oliveira Lopes, 8 anos, seqüestrada em novembro do ano passado, no Norte do Estado. O homem é o principal suspeito da autoria da morte de 14 meninos no Rio Grande do Sul.

De acordo com a delegada do Sicride, Márcia Tavares dos Santos, Adriano negou ter seqüestrado Luana e disse nunca ter matado meninas. Além disso, as características físicas passadas pelo irmão de Luana, Diego, 10 anos, não conferem com as do suspeito. O seqüestrador foi descrito como um motorista de caminhão, sem tatuagens e sem um dos dentes do lado direito superior da boca. “O que é totalmente diferente das características do Adriano, que tem duas tatuagens, uma em cada braço, possui dentição perfeita e uma cicatriz na testa”, disse Márcia.