Uma saída para jantar se transformou em um pesadelo para duas amigas. Elas foram seqüestradas, mantidas presas no porta-malas do carro e terminaram baleadas durante troca de tiros entre bandidos e policiais. Tatiana Rorato Carneiro, 30 anos, recebeu disparo na cabeça e permanece em observação no Hospital Cajuru, enquanto Fabiane Herbaro Romeiro, 33, foi alvejada na perna e após receber atendimento médico foi liberada. Nenhum dos marginais foi preso.

O drama vivido pelas amigas começou quando elas retornavam para suas residências, depois de terem saído juntas para jantar na noite de sábado. Tatiana – que conduzia o seu veículo Astra – foi deixar Fabiane em casa. Por volta das 3h30, na esquina da Avenida Visconde de Guarapuava com Coronel Dulcídio, Batel, a motorista parou o carro e foi abordada por três indivíduos armados. Os marginais ordenaram que as mulheres passassem para o banco traseiro do Astra, apesar dos incontáveis apelos das vítimas para que levassem apenas o carro. Eles rodaram por mais algum tempo e, nas imediações da Avenida Mário Tourinho, Mossunguê, as vítimas foram obrigadas a entrar no porta-malas do Astra.

Assalto

Conduzindo o veículo, os marginais rumaram em direção à praça de pedágio de São Luiz do Purunã, pela BR-277. Quando chegaram lá, o trio desceu do carro e deu voz de assalto. A ação deles alertou dois agentes da Polícia Federal que estavam na casa sede do atendimento ao usuário da Rodonorte (concessionária responsável pela rodovia) ao lado da praça de pedágio. Os policiais correram até o local do assalto e foram recebidos a tiros pelos bandidos. Houve revide por parte dos agentes, forçando os assaltantes a entrar no carro e fugir em direção a Curitiba.

A viatura da Polícia Federal ainda perseguiu o carro e um novo tiroteio bastante acentuado aconteceu. Os marginais estavam bem municiados, utilizando inclusive armamento de grosso calibre (escopetas). Há informações de que pelo menos 75 tiros foram disparados. O Astra ficou crivado de balas com 14 perfurações. Um agente federal teria sido ferido, mas isso não foi confirmado pela PF.

Os marginais conseguiram se distanciar da viatura da PF e abandonaram o Astra na Serra de São Luiz do Purunã. Em contato com amigas, as reféns afirmaram que escutaram vozes e barulho de carros saindo.

Socorro

Mesmo feridas, as meninas conseguiram abrir o tampão do porta-malas e no interior do carro localizaram um telefone celular que foi esquecido pelos bandidos. Com o aparelho, Fabiane entrou em contato com seus familiares e contou o que havia acontecido. Ela ainda conseguiu pedir ajuda para um motorista de ônibus que fazia o itinerário Irati/Curitiba. Pouco tempo depois uma viatura da polícia apareceu e deu prosseguimento ao socorro.

De acordo com a Assessoria de Imprensa da Rodonorte, por volta das 5h10, policiais solicitaram para que uma ambulância da concessionária se deslocasse para a Serra para levar as feridas ao Hospital Cajuru. Um guincho também foi solicitado para levar o Astra para a Polícia Federal.

Em contato com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), responsável por aquele trecho da rodovia, foi confirmado a ocorrência da tentativa de assalto à praça de pedágio, mas a PRE apenas prestou apoio ao trabalho da Polícia Federal.