Sete homens foram assassinados no fim de semana em Curitiba. Quatro homicídios ocorreram no domingo, sendo dois na Cidade Industrial de Curitiba (Cic). Um jovem de aproximadamente 18 anos, encontrado morto com dois tiros na cabeça, por volta das 5h30 de domingo, ao lado da Rua Ludovico Kaminski, na Cic. Sem identificação, ele estava sentado em um pneu de um caminhão, na entrada de um matagal.

Moradores escutaram os tiros, mas não viram os criminosos e comentaram que o jovem teria participado de uma festa na região, mas de madrugada desentendeu-se com outros indivíduos e foi retirado do local. Ele vestia camiseta branca, calça jeans azul e tênis branco. Tinha uma tatuagem no antebraço esquerdo e outra no pulso direito. Também o servente Juliano Francisco dos Santos, o “Cruel”, 31, executado com tiros na cabeça pouco antes das 3h, na Rua Teomilia de Freitas Machado, Vila Santa Helena. Não há informação sobre suspeitos.

Daniel Caron
Pneu serviu de urna para jovem baleado na cabeça.


Brigas

Um tiro no coração matou o pintor Henrique Ereno de Menezes, 22, às 1h30 de ontem, em frente a uma casa noturna, na Avenida Marechal Floriano Peixoto, Boqueirão. O assassino era amigo da vítima. Ambos discutiram na danceteria e foram retirados do local. Momentos antes do crime, Henrique caminhou em direção a um Monza preto, onde pegou um revólver calibre 32. O amigo se aproximou, acompanhado de uma garota, e ouviu-se um disparo. Atingido no peito, Henrique caiu morto na rua, sobre a arma, que foi recolhida pela polícia. O amigo correu e não foi localizado. Imagens das câmeras instaladas na danceteria poderão auxiliar a Delegacia de Homicídios a desvendar o crime.

Outro que morreu após se envolver em briga em uma festa foi o motorista Milton César dos Santos, 28, assassinado por volta das 3h30 na Rua Avelino Mantovani, nas Moradias Lotiguassu, Uberaba. Moradores da região comentaram que, durante a noite e madrugada, houve uma festa numa residência da vila. Quase todos participantes já tinham voltado para suas casas quando aconteceu a confusão. Um tiro foi disparado e Milton ficou caído no asfalto com um tiro na cabeça, provavelmente de pistola calibre 380. O motivo e a autoria são desconhecidos.

Snooker

Confusão num snooker bar resultou na morte de Andersson Luiz Rocha, 30, na noite de sábado, na Rua Visconde de Cairu, no Seminário.

Segundo a polícia, Anderson estava acompanhado de amigos jogando sinuca, quando, por volta das 21h, começou a discutir com um homem conhecido como “Paraíba”, que frequentava o local aos sábados para vender CDs. O motivo da briga era a dívida que “Paraíba” tinha no bar e se recusava a pagar. Andersson se desentendeu com o devedor e sugeriu que ele se retirasse.

“Paraíba” saiu do boteco, caminhou até seu carro, um Corsa, pegou uma arma e retornou e atirou várias vezes. Um dos tiros acertou a barriga de Andersson, que caiu morto nos fundos. O assassino fugiu no mesmo veículo. Amigos da vítima comentaram que Andersson era estudante e iria se formar em gastronomia.

Madrugada

Na madrugada de sábado aconteceram dois homicídios. Por volta da 1h30, Renato da Silva Gonçalves, 16, foi assassinado com dois tiros no peito e na cabeça, na Rua Pedro Rodrigues de Lima, Vila Xapinhal, Sítio Cercado. Ele, segundo a PM, foi morto depois de um desentendimento num bar da região. A mãe do rapaz contou a investigadores que o filho era usuário de droga e ficou internado por 45 dias para tratar do vício, mas não conseguiu se reabilitar.

O outro homicídio aconteceu por volta das 3h em um campo de futebol nos fundos de uma creche, na Rua Baldur Magnus G,rubba, no Novo Mundo. A vítima portava um crachá de uma empresa fabricante de ferragens para móveis em nome de Anderson Luiz da Silva, 30. De acordo com a PM, ele teve a cabeça esfacelada com um bloco de concreto. O crime não foi testemunhado e a chuva que já caia torrencialmente naquela hora afastou até mesmo os curiosos.

Fábio Alexandre
Confusão no bar acaba com a vida de estudante.