É crescente o envolvimento dos jovens entre 12 e 17 anos com o crime. No mês passado, por exemplo, a Delegacia do Adolescente, em Curitiba, recebeu 187 menores infratores. Na maioria, eles foram autores de porte de drogas (39 jovens), roubo (21), tráfico de drogas (19) e furto (19). Os outros 89 adolescentes apreendidos foram pegos por dirigir sem habilitação, lesão corporal, pichação, ameaça, receptação, danos ao patrimônio, brigas, homicídios (três jovens, número recorde comparado aos outros meses) e desacato.

Mas, apesar do crescente envolvimento destes jovens com o crime, o Mapa da Violência da Tribuna apontou que setembro foi o mês com menor número de adolescentes mortos: apenas quatro. Um número bastante baixo, considerando que, em janeiro, foram 17 adolescentes assassinados e, em março, 16. Os outros meses ficaram numa média de sete jovens.

Entre os quatro mortos, dois foram vítimas de homicídios. Elizeu da Luz, 14 anos, foi esfaqueado no dia 12, no Santa Cândida. Elivelton Barreiro Bandeira, 17 anos, foi baleado em São José dos Pinhais, no dia 25. Os outros dois garotos mortos entraram em confronto com a Polícia Militar, em São José dos Pinhais, no dia 14: João Gabriel da Silva de Oliveira, 15 anos, e Bruno Henrique de Oliveira, 16.

Motivos

O delegado Fábio Amaro, da Delegacia de Homicídios, acredita que o maior motivo do assassinato de adolescentes é o envolvimento deles com o crime, principalmente o tráfico de drogas. Vindos de famílias desestruturadas, incapazes de aconselhá-los, e principalmente moradoras das regiões periféricas, os jovens são aliciados pelos traficantes porque são uma mão de obra “barata”.

O delegado explica: se o traficante recruta um adulto para revender drogas e este adulto é preso (pode pegar entre 5 a 15 anos de prisão), o traficante tem um custo alto com advogados para tirá-lo da cadeia. Caso não pague o advogado, pode ser denunciado pelo preso e parar no xadrez também. “No caso dos adolescentes, eles ficam no máximo 45 dias apreendidos e não há altos custos com advogados. O adolescente é uma matéria prima fértil pro traficante”, analisou Amaro.

Sesp

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) divulgou seu balanço parcial de homicídios dolosos (com intenção de matar). Em Curitiba, na comparação dos nove primeiros meses de 2010 e os nove primeiros meses de 2013, houve redução de 33% na capital e 30% na região metropolitana.