Para tentar diminuir a entrada de marginais em potencial na capital paranaense, através de linhas de ônibus interestaduais, está em funcionamento a ?Operação Sinal Vermelho?, na Rodoferroviária. Um grupo de policiais militares aborda passageiros vindos de São Paulo, com o objetivo de cadastrá-los e, assim, formar um banco de dados de viajantes. ?Com isso, fica mais fácil identificar quadrilhas de ladrões que vêm do estado vizinho para cometer crimes aqui?, comentou o capitão Rui Barroso, do serviço de inteligência da PM.

A medida começou a ser implantada na semana passada, por determinação da Secretaria da Segurança Pública, e já ajudou a prender duas quadrilhas de ladrões paulistas de Rolex. ?Não queremos constranger ninguém, todos são apenas convidados a preencher o formulário com dados pessoais e tempo de permanência na cidade?, explicou.

Movimento

Em Curitiba chegam cerca de 30 ônibus por dia, vindos de São Paulo, mas a média de abordagem é de 20 pessoas. São abordados apenas os passageiros que trazem somente bagagem de mão ou que vêm sem nenhuma mala, o que demostraria a intenção de ficar pouco tempo na cidade. A seleção se explica pelo fato de os ladrões de Rolex virem e voltarem para suas cidades de origem no mesmo dia.

Se o passageiro aceita passar pelo processo, ele tem sua bagagem revistada, e preenche o formulário no posto da Polícia Militar, na Rodoferroviária. ?Quando há suspeita em relação ao destino informado pelo passageiro, uma viatura da polícia vai até o endereço indicado para fazer a verificação?, disse o comandante do Policiamento da Capital (CPC), coronel Sílvio Santos de Moraes Sarmento. A Operação Sinal Vermelho não tem prazo para terminar.