A delegada Selma Braga, do 2.º Distrito Policial, que investiga o assassinato do bancário aposentado Sérgio Alaor Kluppel, 64 anos, ocorrido anteontem no Água Verde, afirmou que moradores do prédio Barão de Cotegipe serão ouvidos a partir de segunda-feira. Os vizinhos, que estiveram no velório da vítima, na Capela Vaticano do Cemitério Municipal de Curitiba, deverão se pronunciar a respeito da relação de Sérgio com o síndico José Francisco da Fonseca Prestes, 58, autor dos dois disparos que mataram o bancário.

Após atirar em Sérgio, o síndico ainda atirou contra o próprio peito e permanece internado no Hospital Evangélico. A principal suspeita para a motivação do crime teria sido as investigações de Sérgio sobre a possível fraude de cerca de R$ 19 mil na prestação de contas do edifício. Mesmo assim, a delegada quer saber se havia alguma rixa antiga entre os vizinhos, confirmada extra-oficialmente por alguns moradores.

Outro detalhe que a polícia quer confirmar é se o crime foi ou não premeditado. De acordo com depoimentos, Prestes teria atraído Sérgio até o hall de entrada do prédio.

O estado de saúde de Prestes não se agravou e permanece estável. A polícia confirmou que a arma do crime, uma pistola 765, estava registrada em nome de Prestes, porém o porte estava vencido.