Lucimar do Carmo
Galinha morta e farofa
mobilizam PM.

Uma caixa grande de papelão deixada em frente à porta de uma agência bancária, em Curitiba, levou um cliente a suspeitar, ontem, da existência de uma bomba. A denúncia exigiu a atuação dos policiais do Comando de Operações Especiais (COE) antibomba da Polícia Militar, que foram rapidamente ao local, equipados para desarmar o possível explosivo.

Mas o que parecia uma ameaça acabou sendo caracterizado pelos policiais como abuso da liberdade religiosa: tratava-se de uma oferenda. Na caixa – aberta pela polícia com técnica especial para impedir explosão – havia galinhas mortas, frutas, farofa e pedaços de pão. Segundo o tenente Antônio Cláudio Cruz, as chamadas desse tipo exigem mobilização da polícia. "Estamos atendendo a muitas ocorrências que registram suspeita de explosivos. E temos de atuar com cautela em todas elas", colocou. A denúncia de ontem foi a 17.ª ocorrência do tipo registrada este ano na capital.