Reprodução
Dante Furtado Koche Júnior, 34 anos, apresentou-se ontem na Delegacia de Homicídios.

Dante Furtado Koche Júnior, 34 anos, apresentou-se ontem na Delegacia de Homicídios (DH). Junto com cinco pessoas, presas na semana passada, ele é suspeito de matar seu amigo Carlos Vinícius Zella Recalde, 26, em setembro passado. Além do homicídio, Dante e os outros detidos foram indiciados por tráfico de drogas e formação de quadrilha.

De acordo com informações da DH, Dante, que possuía mandado de prisão, foi ouvido e encaminhado ao Centro de Triagem II, em Piraquara. Ele nega ter matado o amigo e ter envolvimento com o tráfico. Em 1995, ele foi preso pela Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos, por roubos de carros. Em 2001, por porte de arma, e, entre 2005 e 2006, foi pego diversas vezes com drogas. Num delas, foi levado à delegacia junto com seu amigo Carlos Vinícius.

Carlos foi assassinado exatamente no dia em que ele e Dante foram a uma audiência, no Juizado Especial Criminal, para receberem punição pela posse de drogas. Ambos foram obrigados a prestar serviços comunitários e assistir palestras de desintoxicação. Porém, somente a Dante ficou a incumbência do juiz. Na manhã seguinte à audiência, Carlos foi encontrado morto.

Quadrilha

Dante era o único do bando que permanecia foragido. Quinta-feira passada, a DH prendeu Maria Aparecida Zacarias, a ?Maria do Raime?, 47; o filho dela, Carlos Alberto de Carvalho, 19; Denival Soares, 35; Ricardo de Rivera, 26; e Rodrigo Canto da Silva, 32. Com os cinco a polícia apreendeu dinheiro (reais, dólares e euros), diversos aparelhos eletrônicos e celulares, jóias, um talão de cheques e até um termo de penhor da Caixa Econômica Federal. Os produtos, acredita a polícia, seriam resultado das vendas de drogas.