Dois suspeitos de clonar cartões eletrônicos foram presos pela Polícia Militar, na tarde de ontem, no centro. Rafael Lopes da Silva, 25 anos, e Kinilson de Souza Teixeira, 24, são acusados de instalar uma máquina “chupa-cabra” e uma microcâmera num caixa eletrônico do Shopping Mueller, para “copiar” o número do cartão e a senha da vítima.

Ambos vieram de Brasília (DF) e foram desmascarados pelo serviço reservado do 12.º Batalhão antes de retornarem a sua cidade. A dupla só foi descoberta, porque uma vítima recebeu ligação do banco, questionando sobre algumas compras realizadas com o cartão.

Ela tirou um extrato da conta e percebeu que havia saques feitos num caixa do Shopping Mueller. A partir daí, com ajuda de câmeras de segurança do shopping, os suspeitos foram descobertos, carregando sacolas com compras feitas com o cartão da vítima e saindo no Golf placa JEA-0505, de Brasília.

“Com informações do veículo dos suspeitos, o serviço reservado apurou que eles estavam hospedados em um hotel no centro. Os policiais realizaram campana e conseguiram detê-los”, explicou o tenente Baptista.

Na abordagem, foram apreendidos cerca de R$ 750, equipamentos usados para clonar cartões, impressora, dois notebooks, e vários objetos comprados com cartões de vítimas, como tênis, edredom e até um fogão.

Quadrilha

A polícia acredita que, devido aos equipamentos apreendidos, Rafael e Kinilson façam parte de uma quadrilha especializada nesse tipo de crime. Pelo que foi apurado, dois marginais eram responsáveis por instalar a câmera e o “chupa-cabra’, enquanto outros dois ficavam na praça de alimentação do shopping, conectados à internet, acompanhando as imagens que filmavam a vítima digitando a senha do cartão.

A partir daí, Rafael e Kinilson realizavam os saques e faziam as compras. A dupla foi encaminhada à Polícia Federal, que seguirá com as investigações para tentar identificar o restante da quadrilha.

Átila Alberti
Computadores tinham imagens das vítimas digitando dados.