O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou o ex-presidente da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Paranavaí, Waldemar Navarro, a devolver R$ 28.985,16 ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Segundo o TCU, a condenação ocorreu porque não houve a comprovação correta da destinação do recurso, que seria a compra de materiais de laboratório de informática para a escola da Apae do município. Na época, em 1997, o valor do recurso era de R$ 14 mil.

Segundo o relatório do TCU, Navarro encaminhou a prestação de contas do convênio com o FNDE. Porém, o órgão entendeu que ainda seriam necessários extratos bancários da conta do convênio, extratos de pagamentos feitos, e cópias de despachos de licitações, entre outros.

Mas, segundo o TCU, Navarro não encaminhou esses documentos complementares após a solicitação. Além da condenação dos R$ 28.985,16, Navarro também terá que pagar multa de R$ 6 mil ao Tesouro Nacional, num prazo de 15 dias.

A diretoria da Apae de Paranavaí informou que no ano passado entrou em contato com o TCU e que este órgão informou que tais irregularidades não existiam. Com a nova informação da condenação, a diretoria informou que vai procurar novamente o TCU para verificar o que está acontecendo.

A diretoria disse, ainda, que a Apae não passou por dificuldades financeiras nos últimos anos. A reportagem solicitou à diretoria contatos de Navarro, mas foi informada de que ele não estava no local e que não tinha autorização de passar outros telefones do ex-presidente. A diretoria informou, ainda, que Navarro não é mais presidente da Apae, mas ainda faz parte da instituição.