A sentença que definirá se o ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho será mandado a júri popular ou não poderá sair em nove de novembro, durante uma audiência marcada para as 14h, na 2.ª Vara do Júri, em Curitiba.

Ele se envolveu em sete de maio de 2009 em um acidente que culminou na morte de Gilmar Rafael Souza Yared, 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, 20, no bairro Mossunguê.

Será ouvida uma testemunha de defesa do acusado, em substituição às duas testemunhas que viriam de São Paulo nos últimos dias da instrução, mas não compareceram.

Logo após ouvir a testemunha, o juiz Daniel Surdi de Avelar poderá declarar se Carli Filho irá a júri popular, acusado de crime doloso eventual, ou se o caso será tratado como um mero acidente de trânsito.

É facultado ainda ao ex-deputado um novo interrogatório. O advogado que defende a família Yared, Elias Mattar Assad, acredita que a oitiva de uma nova testemunha não interfere na causa.

“Já tinha terminado a instrução, mas o juiz deu um despacho porque a defesa ressaltou a importância de ouvir essa testemunha. Mesmo que ele faça a oitiva, há a possibilidade de que ele já dê sua decisão”, afirma.

Exames apontaram que o ex-deputado dirigia embriagado quando ocorreu o acidente. Devido a outras evidências como esta, o Ministério Público Estadual denunciou Carli Filho por duplo homicídio com dolo eventual. Ele prestou depoimento no início de agosto e garantiu que não se lembrava do momento da colisão.