A polícia desconfia que o corpo carbonizado encontrado dentro de uma casa, no Cajuru, seja o de Sônia Regina Figueiredo de Córdova, madrasta do travesti Fernando Ricardo Stocco,19, acusado de provocar o incêndio para receber o seguro do avô adotivo, Nereu Figueiredo de Córdova, 76, que morreu asfixiado. O crime aconteceu há cerca de 15 dias e, até hoje, Sônia não foi localizada.

Fernando foi preso em Fazenda Rio Grande com uma maleta com dinheiro e confessou ter executado o avô e uma outra pessoa a mando de Sônia. Disse que ela iria ficar com um seguro de vida de Nereu, no valor de R$ 100 mil e ele, se fazendo passar por morto, deixaria de ser procurado por traficantes para os quais estava devendo.

Quando preso, Fernando falou que era um homem que tinha morrido dentro da casa, juntamente com o avô adotivo, mas não sabia sua identidade. A história mal contada, aliada ao sumiço de Sônia, fez a delegada Vanessa Alice, da DH, supor que o corpo carbonizado seja o da madrasta. Dois motoristas de táxi podem estar envolvidos no crime.