Marcelo, Lidiane e Vilmar
foram surpreendidos por PMs.

Acusados de praticar uma seqüência de assaltos, Marcelo Sikorki, 27 anos; Vilmar Alves, 34, e Lidiane França Fernandes, 19, foram presos por policiais militares do 17.º Batalhão, na tarde de ontem. Um comparsa deles conseguiu fugir. Vilmar foi o único que confessou o crime. Com o grupo foram apreendidos diversos documentos, uma pequena quantidade de maconha e cerca de R$ 70,00, além de uma pistola automática, calibre 380.

A tenente Ariádene, do 17.º Batalhão, informou que os crimes iniciaram às 13h, quando dois homens invadiram a Farmácia Gumafarma, na Planta Carla, em Pinhais, e deram voz de assalto. Do caixa, os marginais levaram R$ 73,00 e mais R$ 350,00, que estavam na carteira da filha do proprietário do estabelecimento. Em seguida fugiram no Santana Quantum placa JWT-6815, de Itaitiba, Pará.

O grupo seguiu para Piraquara, onde renderam dois motoristas de caminhões, que faziam entrega em um Supermercado, na Avenida das Palmeiras, bairro Primavera. “Eles só levaram documentos porque as vítimas não tinham dinheiro”, ressaltou a tenente.

Prisão

Ariádene contou que Vilmar, Marcelo e Lidiane estavam parados em frente a um supermercado em São José dos Pinhais, quando foram abordados e presos. “Acreditamos que eles iriam praticar outro roubo ali. O motorista do carro fugiu enquanto abordávamos as pessoas que foram capturadas”, salientou a policial. Ela disse ainda que o Santana Quantum não possui queixa de furto ou roubo. “O carro deverá ser periciado”, argumentou Ariádene.

Vilmar, que já tem duas passagens por porte ilegal de arma e uma por estupro, garantiu que eles não iriam assaltar o mercado de São José dos Pinhais. “Paramos ali para telefonar”, justificou. Ele assumiu que participou do roubo contra a farmácia e os motoristas de caminhões. “Dos motoristas foi só tentativa. Eles não tinham dinheiro”, justificou.

Quando ao estupro que respondeu, Vilmar disse que na época houve um engano. “Fui preso acusado de estuprar minha própria mulher, mas é mentira. O que é certo é certo”, frisou.