Dois irmãos e um amigo suspeitos de abastecer pontos de tráfico de drogas em quatro cidades da região metropolitana foram presos por policiais do Departamento Estadual de Narcóticos (Denarc) no final de semana, depois de dois meses de investigações.

Eles reaproveitavam os cartuchos de projéteis disparados de pistolas. Colocavam mais pólvora, e uma máquina manual fechava o novo projétil. As munições também eram distribuídas aos revendedores de drogas. O equipamento foi apreendido.

Daniel Rypchinski, 28 anos, conhecido como “Gordo”, Miguel Romão Rypchinski, 32, o “Gaio”, e Luiz Carlos Stegues, 24, o “Xapinhal”, foram presos em uma residência, em Piraquara, com documentos falsos e balanças de precisão.

Eles informaram que escondiam a droga na casa da amante de Daniel, no Xaxim. Lá, os investigadores apreenderam 400 gramas de crack, 50 gramas de cocaína, dez balanças de precisão, uma pistola, um revólver, munições e radiocomunicadores dentro de uma mala.

Entrega

Desta casa, de acordo com as investigações, saía a droga, que abastecia diariamente pontos de tráfico em São José dos Pinhais, Piraquara, Pinhais e Colombo. A polícia ainda tenta identificar os fornecedores do entorpecente.

Dentro da residência também foram apreendidas placas de veículos e outros documentos falsificados. “Acreditamos que eles tenham envolvimento em roubo de clientes que saíam de agências bancárias de Colombo e Campina Grande do Sul”, afirma a delegada do Denarc, Camila Cecconello. Os três eram foragidos do sistema penitenciário há mais de um ano.