Um assalto contra o padre do município mobilizou os cinco mil habitantes da cidade de Saudade do Iguaçu, no Sudoeste do Estado – próximo a Pato Branco -, na noite de terça-feira. Armados e encapuzados, três homens invadiram a casa paroquial do município e levaram US$ 10 mil. O dinheiro, que estava guardado dentro de um cofre, pertencia ao padre Josef Emiel Jan Caekelbergh, 67 anos. Segundo ele, os dólares eram doações de amigos e parentes da Bélgica, País de origem do pároco.

Segundo o comandante Wayme, da Policia Militar do município, o assalto aconteceu por volta das 20h15, quando Josef falava ao telefone. Naquele instante, os assaltantes bateram na porta da casa paroquial, e, sem desconfiar de nada, o homem não hesitou em abri-la. Assim que entraram, armados e com o rosto coberto, eles renderam o padre e exigiram que ele mostrasse o local onde estava o dinheiro. Josef tentou despistar os homens, oferecendo a carteira dele, mas eles revidaram dizendo que queriam o dinheiro “graúdo”.

Dólares

Coagido, o padre foi obrigado a abrir o cofre, que ficava no corredor da casa, e entregar a quantia, que equivale a R$ 30 mil. Além do cofre que foi aberto, os laldrões também carregaram um outro, menor, que não pode ser aberto por que o padre não achou a chave. Segundo o pároco, no interior deste segundo cofre não havia nenhum objeto de valor nem grande quantia em dinheiro.

Enquanto pegavam os dólares, os homens amarraram o padre em cima de uma das camas e, sem se intimidar pela ação dos criminosos, Josef não poupou palavras. “Ele rogou várias pragas a eles, afirmando que praga de padre pega e que era um grande pecado que eles estavam cometendo”, afirmou o policial.

Segundo o padre belga, os dólares eram doações dos irmãos dele que moram na Bélgica, e que ele os usava para ajudar famílias carentes e para a formação dos seminaristas da região.

Desde a noite do roubo, os policiais locais estão investigando o caso, mas até a tarde de ontem nenhuma pista dos assaltantes foi encontrada. A policia ainda não tem suspeitos, já que grande parte dos moradores de Saudade do Iguaçu sabia que o padre guardava uma grande quantia em dinheiro no cofre de casa.