Thiago, ameaçado,
defendeu-se a facadas.

Urinar inadvertidamente sobre um pacote com droga. O prosaico fato deu início à confusão que culminou no assassinato de Juarez Silveira Meira, 41 anos, conforme a versão apresentada pelo acusado do crime, o balconista Thiago Michel da Silva, preso em flagrante pela Polícia Militar. O autor confessou o homicídio, cometido às 23h de sábado, em frente a um bar na Rua Professor Omar Gonçalves da Mota, Boa Vista.

Thiago, que bebia com amigos, decidiu urinar fora do bar ao encontrar o banheiro ocupado. “Logo depois Juarez já chegou me batendo, na frente de todo mundo. Disse que eu tinha mijado no bagulho dele”, contou o acusado, que disse não ter visto o pacote que, segundo ele, teria crack em seu interior. Além de ser agredido, Thiago alega que o suposto dono da droga o ameaçou, dizendo que se voltasse lá aconteceria o pior.

O acusado retornou para casa, no mesmo bairro, e armou-se de uma faca. Ele afirma que não pretendia cometer o crime. “Tinha que passar por lá e só queria me defender. Quando ele veio para cima de mim, acertei as facadas”, alegou. Juarez ainda foi socorrido por populares, mas chegou morto no Hospital Cajuru.

O acusado seguiu então para outro bar, onde foi preso pela Polícia Militar, pouco depois do crime. “Saí de lá porque queriam me pegar”, falou o preso, que disse conhecer a vítima apenas de vista e que não tivera desentendimento anterior com ele.

Thiago, que como menor teve passagem na polícia por porte de droga, foi autuado em flagrante e levado ao Centro de Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac) do 3.º Distrito Policial.