A partir da próxima semana a comunidade vai poder colaborar de maneira direta no combate ao tráfico às drogas. Segundo o delegado do Grupo Fera, Alfredo Dib, uma urna será instalada na Praça Generoso Marques, local de intenso comércio de entorpecentes, para que a população deposite desde reclamações sobre o serviço da polícia até denúncias relacionadas ao tráfico. “Esta será uma forma de aproximar a comunidade da polícia. Lugar de policial não é dentro da delegacia e sim na rua, ouvindo o que o povo tem a dizer”, disse o delegado.

Durante toda esta semana a polícia está aplicando duros golpes no tráfico de entorpecentes. Após descobrir e invadir uma fortaleza de traficantes na favela do Parolin, prendeu 21 pessoas. Outras seis prisões aconteceram na seqüência e existem pelo menos mais 13 mandados de prisões a serem cumpridos, demonstrando que a polícia, finalmente, decidiu “bater de frente” no comércio de drogas. Agora, com a instalação de urnas que possibilitem a denúncia do tráfico, a polícia também demonstra boa vontade em ouvir a população e dividir com ela a responsabilidade pela segurança pública.

Cães

Além da urna, a nova estratégia conta com a participação dos cães farejadores da Delegacia de Antitóxicos (Datox). O objetivo é levar os animais ao local, acompanhados de adestradores, para que as pessoas que passem pela praça tenham um contato mais direto com os policiais e os animais. “Os cães são dóceis e carinhosos, e as crianças gostam deles. O que queremos, através dos cães, é estreitar ainda mais a relação entre policia e comunidade”, disse o delegado. Dib ainda não definiu o dia para o início da operação, mas está otimista com a iniciativa. “A Praça Generoso Marques estava tomada pelos traficantes e isto tem que mudar. É a população e as autoridades quem têm que demarcar o território”, conta o delegado, que já planeja a implantação da urna em outros pontos da cidade.