Vândalos invadiram dois ônibus da linha Alferes Poli, que iam do centro ao Parolin, e promoveram algazarra, na manhã de ontem. Porém, a farra durou pouco. Policiais militares detiveram 25 arruaceiros, entre eles duas mulheres e um adolescente, de 17 anos. Entre os detidos três estavam com mandado de prisão em aberto e um era foragido da Colônia Penal Agrícola (CPA).

Os ônibus foram interceptados no Parolin pelo grupo Gama, do Comando de Policiamento da Capital (CPC), que atua no combate a assaltos a ônibus. Com os detidos, a maioria moradora da favela do Parolin, foram apreendidos cachimbos de crack, duas facas de cozinha, duas tesouras e um GPS. O grupo foi levado ao 2.º Distrito Policial (Rebouças); o foragido, para o Centro de Observação Criminológica e Triagem (COT); e os três que tinham mandado de prisão, para a Delegacia de Vigilância e Capturas (DVC).

Queixas

Um policial, que participou da operação e não pode ter seu nome revelado, contou que pelo menos dez dos detidos têm passagem por roubo e furto, assim como o adolescente. Ele contou que a empresa já havia se queixado diversas vezes sobre as frequentes arruaças e prejuízos nos ônibus da linha. Como a função de cobrador é feita pelo motorista, os malandros entravam sem pagar. “A empresa já havia comunicado a situação de motoristas que não queriam mais fazer a linha “, disse o policial. “Há muita pessoa de bem. Os outros passageiros até nos aplaudiram”, comentou outro PM.

As linhas são monitoradas pela polícia. Ontem de manhã, uma denúncia ao 190 alertou os policiais sobre baderneiros que passaram a catraca sem pagar a passagem e estavam fumando crack no interior do coletivo, em meio a algazarra. A maior parte dos vândalos foi detida nesse coletivo e ficou sob cuidado da Guarda Municipal. Os PM aguardaram o outro ônibus e prenderam o resto dos bagunceiros.

Batalha

Todos os detidos ficaram encostados no muro até irem à delegacia. A maioria estava alterada e uns tomavam vinho enquanto aguardavam. Um deles usava muletas.

Quem teve o GPS furtado deve procurar o 2.º DP. O homem que estava com o aparelho tem 32 e cuida de carros na Avenida Sete de Setembro. “Ganhei esse GPS do taxista”, alegou. “A gente não rouba. Não mata. É tudo de rua na batalha”, disse outro detido.

Operações

O monitoramento dos ônibus em que há mais ocorrências registradas é feito com frequência. O policial do Gama, que não pode ser identificado, relatou que outras prisões em massa foram feitas e que o trabalho vai continuar. “Temos que preservar o cidadão honesto, que paga passagem e tem direito de usufruir o serviço em paz”, comentou.

Átila Alberti
Cachimbos, facas e GPS furtado foram apreendidos.