A ameaças das empresas de vigilância de não pagar o adicional de periculosidade mobilizou a categoria. Os vigilantes ameaçam deflagrar a maior greve já feita por eles no Paraná.

O adicional de 30% sobre o piso salarial foi autorizado pela presidente Dilma e deveria ser pago até o quinto dia útil deste mês.

Em nota, o Sindicato dos Vigilantes informa que na quinta-feira, às 19h, haverá assembleia na Praça Santos Andrade para decidir pela paralisação geral da categoria. “O Paraná está se preparando para uma das maiores greves na área de vigilância que o estado já teve.

Queremos mais respeito e lutamos pela valorização profissional e a valorização da vida”, diz o texto.

A data base da categoria é 1.º de fevereiro e, segundo o sindicato, as empresas mostraram não estar dispostas a negociar o piso da categoria nem em cumprir a lei 12.740.