A Anvisa informou nesta sexta-feira (7) que aprovou a o registro da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para a fabricação do insumo farmacêutico ativo (IFA) e produção de uma vacina 100% nacional contra a Covid-19 no país.

LEIA TAMBÉM:

>> Paraná vê covid-19 disparar, mas internamentos seguem baixos; ômicron já pode ser cepa dominante

>> Governador Ratinho Jr testa positivo pra covid-19 e fica em isolamento em Curitiba

>> Atual vacina da gripe é eficiente contra a nova cepa H3N2, confirma Butantan

Segundo a agência reguladora, a decisão conclui o processo da Fiocruz para que o Brasil tenha uma vacina contra o coronavírus com todas as etapas de produção realizadas no próprio território nacional, sem a necessidade da importação de insumos do exterior. Para essa decisão, a Anvisa avaliou os estudos de comparabilidade. Essas análises demonstram que, ao ser fabricado no país, o insumo mantém o mesmo desempenho que a vacina importada.

Em maio de 2021, a Anvisa já havia concedido a Certificação de Boas Práticas de Fabricação do novo insumo, o que garante que a linha de produção cumpre com todos os requisitos necessários para a garantia da qualidade do IFA. Desde então, a Fiocruz vinha realizando a produção de lotes testes para obter a autorização de uso do IFA nacional na vacina Covid-19. “A Anvisa reafirma a importância da ciência para a saúde pública, para que sejam disponibilizadas vacinas com qualidade, segurança e eficácia”, diz a agência em nota.

“É uma grande conquista para a sociedade brasileira ter uma vacina 100% nacional para a Covid-19 produzida em Bio-Manguinhos/Fiocruz. A pandemia de Covid-19 deixou claro o problema da dependência dos insumos farmacêuticos ativos para a produção de vacinas. Com essa aprovação hoje pela Anvisa, conquistamos uma vacina 100% produzida no país e, dessa forma, garantimos a autossuficiência do nosso Sistema Único de Saúde [SUS] para essa vacina, que vem salvando vidas e contribuindo para a superação dessa difícil fase histórica do Brasil e do mundo”, afirmou em nota a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.