Para iniciar o mês amarelo com ações de conscientização e prevenção sobre as hepatites, no dia 1° de julho, às 14h, no canal do Sesc PR no Youtube, haverá uma palestra on-line e gratuita com a médica hepatologista do ICF – Instituto para Cuidado do Fígado, Dra. Cassia Sbrissia Silveira. Essa ação será a primeira que acontece em julho, com o objetivo de conscientizar a população em uma causa tão importante.

Para marcar presença nesse primeiro evento on-line acesse: www.youtube.com/sescpr

Já para o grande dia, 28 de julho, data escolhida pela Organização Mundial de Saúde como o Dia Mundial de Combate às Hepatites, acontecerá uma ação especial do ICF – Instituto para Cuidado do Fígado em parceria com a Secretaria de Saúde do Paraná, Sesc e ÉPICOS – Centro de Educação Profissional. Este ano, em Curitiba (PR), a ação acontece no Sesc da Esquina, na quinta-feira, dia 28 de julho, das 10h às 15h.

O objetivo, além de conscientizar a população, é realizar testes rápidos de hepatites B e C, para detecção e encaminhamento ao tratamento. No dia, serão disponibilizados 500 testes rápidos para hepatite B e outros 500 para a C, com resultados em apenas 30 minutos. Estima-se que mais de 2 bilhões de pessoas são infectadas e cerca de 1 milhão morrem todos os anos por causa das hepatites.

“As hepatites B e C podem causar além da cirrose, o câncer de fígado. Cerca de 800 mil pessoas morrem de câncer de fígado por ano no mundo e se estima que 50% destas mortes poderiam ser prevenidas. É importante ressaltar que este cenário pode ser mudado, pois a hepatite B pode ser prevenida com a vacina e a hepatite C tem cura”, explica a médica voluntária do ICF, Dra. Cassia Sbrissia Silveira.

As duas formas mais comuns de hepatite crônica são a B e a C. Ambas podem levar à cirrose, falência do fígado, câncer de fígado e até à morte. A grande preocupação é que os pacientes não apresentam sintomas e, quando diagnosticados, já se encontram em situação avançada. Por isso, a realização de testes rápidos nas cidades e alerta são tão importantes, até porque dessa maneira o assunto está sempre na mídia o que de certa forma é bom para alertar a população.

“Quando diagnosticadas no tempo adequado, as doenças sempre são tratadas de maneira mais leve, sem grandes intervenções. Na grande maioria se dá com medicamentos por via oral, de ótima tolerabilidade e resposta. Nos casos não diagnosticados de maneira precoce, o tratamento pode envolver cirurgia, procedimentos invasivos e até transplante de fígado”, explica Fábio Porto Silveira, um dos fundadores do ICF. Já a incidência da hepatite A vem decaindo em virtude das melhores condições sanitárias.

Algumas dicas para evitar a transmissão são: vacinação (para Hepatites A e B), sexo seguro e não compartilhar itens pessoais que possam conter sangue, como lâminas de barbear, alicates ou escovas de dente.

O Instituto é mantido por doações de pessoas físicas e jurídicas que se solidarizam com a causa. Para conhecer mais sobre o ICF acesse www.icfigado.org

O ICF fica na Rua Voluntários da Pátria, 475, cj 905a – Edifício ASA.