Com a chegada do Verão, grande parte da população passa as férias – ou até mesmo apenas os finais de semana – na praia, no parque ou na piscina. E a exposição ao sol exige um item considerado imprescindível: o protetor solar, essencial para evitar queimaduras e até mesmo o câncer de pele.

E um dos grandes mitos sobre os protetores solares é que, quanto mais alto o fator de proteção, mais alta a eficácia do produto contra os raios solares. Mas não é bem assim que funciona.

+ Veja também: Tempo instável no Paraná deixa o sábado com mesmo clima esquisito da semana toda

Segundo a  professora de Cosmetologia do curso de Estética e Cosmética da Universidade Positivo (UP), Ana Carolina Pareja Isa, o FPS não tem relação direta com a capacidade de proteção, mas sim com o tempo que a pessoa pode ficar exposta no sol.

“Se o FPS do produto é 30, isso significa que a pessoa está 30 vezes mais protegida de queimaduras solares, em relação ao tempo, do que se estivesse exposta ao sol sem filtro solar. Por exemplo, se o indivíduo começa a ficar vermelho após dez minutos no sol de exposição ao sol, com um filtro solar com FPS 30, essa pessoa, teoricamente, pode se expor 30 vezes mais tempo, ou seja, 300 minutos”, explica. Portanto, um protetor com FPS 60 não protege o duas vezes mais do que um filtro com FPS 30, mas sim, o dobro do TEMPO de exposição.

Outro mito quanto aos protetores solares é de que, quanto maior a camada, maior a proteção. Ou seja, deixar todo o corpo com aquela meleca branca de filtro solar não irá trazer mais benefícios.

“Não há necessidade de aplicar uma camada espessa a ponto de exacerbar. A regra é aquela que muitos já conhecem, da colher de chá, ou 2 miligramas por centímetro quadrado de corpo”, explica a professora. Nesse sentido, a quantidade deve ser de uma colher de chá para o rosto, pescoço e cabeça, uma colher de chá para frente e trás das costas, uma colher de chá para cada braço e uma colher de chá para cada perna.

+ Leia mais: Limpar as compras, higienizar os sapatos? O que ainda vale pra se proteger da covid-19

Mas passar protetor solar já na areia da praia não é uma boa ideia. Segundo Ana Carolina, a aplicação deve ser feita de 15 a 30 minutos antes da exposição solar. “Isso permite que a camada fique aderente à pele e que não haja exposição ao sol sem proteção. Além disso, a preferência é que seja aplicado em casa, sem as roupas de banho, para que fique homogêneo”, finaliza.