As quatro vacinas administradas no Brasil contra a Covid-19 conferem grande redução do risco de infecção, internações e óbito — o que significa que todas têm efetividade. Esses são os dados de uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) feita de janeiro a outubro de 2021.

VEJA TAMBÉM:

>> “A variante Ômicron vai chegar ao Paraná, se já não chegou”, alerta Beto Preto

>> Variante Ômicron causa primeira morte, paciente morreu no Reino Unido

>> Paraná recebe mais doses de reforço nesta terça-feira. Curitiba registrou fila logo cedo

Considerando os desfechos graves (internação ou óbito) em indivíduos com idade entre 20 e 80 anos de idade, a proteção variou entre 83% e 99% para todos os imunizantes. Na população abaixo de 60 anos de idade, todas as vacinas apresentam proteção acima de 85% contra risco de hospitalização e acima de 89% para risco de óbito. As informações são da Agência Brasil.

As informações constam da primeira edição do boletim sobre a efetividade das vacinas contra a Covid-19 na população brasileira, do projeto Vigivac da Fiocruz, publicada na última quinta-feira (9).

As análises, coordenadas pelo pesquisador Manoel Barral, da Fiocruz Bahia, foram realizadas com informações individuais anônimas dos bancos de dados da Campanha Nacional de Vacinação contra Covid-19 (Vacinação Covid-19), Notificações de Síndromes Gripais (e-SUS Notifica) e Notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG 2020 e 2021; SIVEP-Gripe).

CoronaVac

Segundo a pesquisa, a CoronaVac apresentou alta efetividade para a população entre 18 e 59 anos de idade, variando de 89% a 95% e de 85% a 91% para óbitos e hospitalizações, respectivamente. Entretanto, houve queda importante na efetividade em pessoas com 60 anos de idade ou mais. Na faixa entre 60 e 69 anos de idade a proteção contra formas graves da doença foi de 81%, chegando a 64% em maiores de 80 anos de idade. 

Os pesquisadores dizem que esta redução na proteção em idosos pode ser explicada por diversos fatores, mas principalmente pelo maior tempo desde a última vacinação e pela maior vulnerabilidade do grupo que recebeu o imunizante, já que a CoronaVac foi a mais utilizada entre idosos e profissionais prioritários, como da área de saúde e segurança, que são mais expostos ao contágio. Além disso, a vacina foi administrada durante um período de maior circulação do vírus.

AstraZeneca

A AstraZeneca foi a vacina mais utilizada no país, segundo o boletim. Os resultados para a população adulta de até 59 anos de idade mostraram efetividade de 99% do imunizante contra óbitos. A queda da efetividade também acompanhou o aumento da faixa etária. No grupo de pessoas entre 60 e 69 anos de idade a proteção contra infecção foi de 89%, chegando a 82% nos indivíduos acima de 80 anos de idade. Com relação aos óbitos, pessoas acima de 80 anos de idade tiveram proteção de 91%, um pouco menor do que as outras faixas de 60 a 69 e 70 a 79 anos de idade, que tiveram 97% e 93%, respectivamente.

Pfizer

As análises para a população adulta com até 59 anos de idade que recebeu a Pfizer mostraram que a proteção manteve-se acima de 96%. A proteção contra óbito e internação por Covid-19 neste grupo foi de 99%. Os pesquisadores destacam que a Pfizer foi administrada na população mais jovem e em momento epidêmico com menor circulação do vírus, o que pode favorecer a efetividade da vacina.

Janssen

Na população adulta de até 59 anos de idade que recebeu a Janssen, as análises apontaram proteção contra óbito de 78% a 94%. Contra hospitalização a proteção ficou entre 88% e 91% e contra infecção a efetividade foi de 68% a 73%. Para a população idosa, foi possível calcular a efetividade com segurança apenas para a população com 80 anos de idade ou mais, que teve proteção contra óbito de 91% e contra hospitalização de 93%.

Nova novela

Conheça o elenco principal de “Poliana Moça”

Capítulos finais

O que vai acontecer no final de Um Lugar ao Sol?

Além da Ilusão

Lyra afirma que Isadora não ama seu noivo

Confira!

John Wick 2 e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix