Ao todo 11 pessoas foram ouvidas nesta terça-feira (02), no segundo dia das audiências de instrução de instrução e julgamento do caso do jogador Daniel Correia Freitas, morto em São José dos Pinhais no ano passado.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Entre as testemunhas de defesa ouvidas nesta terça, estavam o pai de Cristiana e sogro de Edison Brittes, outros familiares dos Brittes e amigas e ex-colegas de trabalho de Allana e Cristiana. Além deles, também deram seus testemunhos um perito e o médico legista Carlos Beltrami, ambos contratados pela defesa de Eduardo da Silva. Em sua oitiva Beltrami disse, entre outros detalhes, que a emasculação de Daniel deve ter ocorrido após a morte do jogador, pois o corte que Daniel teve no pescoço tirou sua vida imediatamente.

No fim da tarde, uma discussão tomou conta do julgamento. A briga que envolveu os advogados de defesa, acusação e a juíza, começou após a publicação por parte da imprensa, da afirmação feita pelo advogado da família de Daniel Nilton Ribeiro, que disse que “Parece (que os acusados) que estão em festa, só faltou a bebida”. Em os ânimos exaltados, a audiência chegou ao fim por volta das 18h30.

Primeiro dia foi rápido!

Ontem, no primeiro dia das audiências de instrução, vinte e cinco testemunhas foram ouvidasAo contrário do mês passado, quando foram ouvidas as testemunhas de acusação e algumas oitivas demoraram quase três horas, desta vez as testemunhas de defesa foram rápidas. A grande maioria não passou de cinco minutos. Isto porque foi a fase de testemunhas abonatórias – pessoas não relacionadas diretamente ao crime – que dão seus depoimentos apenas para realçar boas condutas da vida dos réus. Relembre no tempo real como foi o primeiro dia de audiência!

Todas as informações sobre os fatos do segundo dia de audiências você confere logo abaixo, no tempo real feito pelas equipes da Tribuna.

Menina de 3 anos precisa de ajuda pra fazer cirurgia e não ficar cega