Quem nunca comeu chocolate, sorvete, pizza ou batata frita na tentativa de aliviar a ansiedade? De acordo com a psicóloga Elaine Di Sarno, esses e outros alimentos ricos em açúcar e gorduras ruins são os primeiros que vêm à mente no momento de diminuir a tensão, pois aumentam a quantidade de insulina e adrenalina no corpo, gerando sensação momentânea de relaxamento.

LEIA AINDA – Cocô de 2 mil anos atrás é analisado e revela como flora intestinal humana mudou

O problema é que, “assim que são processados, causam irritabilidade, inquietude e falta de energia”, explica a especialista em Neuropsicologia, ao afirmar que doces, massas e frituras não são os únicos capazes de prejudicar o bem-estar emocional. “Até produtos considerados saudáveis podem aumentar a frequência, intensidade e duração dos episódios de ansiedade, especialmente se a pessoa tem alguma pré-disposição”, afirma Elaine, ao citar produtos como o tofu entre esses “mocinhos” que podem se tornar “vilões”.

Segundo ela, esse derivado de soja é rico em nutrientes e muito utilizado por quem procura uma alternativa para a carne nas refeições. Só que, “ainda que a soja seja uma proteína magra, ela contém inibidores de tripsina e protease, enzimas que dificultam a digestão de proteínas”, explica. Sem contar que “apresenta grande quantidade de cobre, mineral ligado ao comportamento ansioso”.

LEIA TAMBÉM – Chimarrão muito quente pode causar lesões que levam ao câncer de esôfago

Além disso, o nutrólogo Paulo Guimarães afirma que a soja tem sofrido críticas nos últimos anos por sua relação com hormônios estrogênicos, o que também poderia agravar quadros de ansiedade. Por isso, a orientação é variar o cardápio para evitar exageros. “O ideal é alternar seu consumo com outras fontes de proteínas vegetais ou animais, de acordo com a preferência”, afirma o médico, acrescentando o pão integral à lista de alimentos saudáveis que merecem atenção.

De acordo com ele, esse produto é muito utilizado por sua menor concentração de carboidratos e também por conter fibras. “Mas ainda é um pão, então pode afetar, sim, o grau de ansiedade”, alerta. “E também tem glúten, que é uma proteína relacionada a quadros de ansiedade quando seu consumo é exagerado ou frequente”.

VIU ESSA? Covid-19 entre casais: estudo aponta o que faz uma pessoa ser infectada e seu parceiro não

Essa substância, segundo a psicóloga Elaine Di Sarno, é uma das principais responsáveis pelo quadro de ansiedade, principalmente em pacientes com doença celíaca, que apresentam reação exagerada do sistema imunológico ao glúten. “Nessas pessoas, inclusive, os traços de ansiedade são comuns e podem até desaparecer quando essa proteína é removida da dieta”, comenta.

E quais alimentos podem ajudar?

Portanto, alimentos como o farelo de trigo também devem ser consumidos com cautela, já que apresentam alto teor de glúten e ainda podem dificultar a absorção do zinco. “Como níveis adequados desse mineral são importantes para pessoas com tendência à ansiedade, sua falta induz ainda mais comportamentos ansiosos e até depressão”, afirma a psicóloga, orientando que o farelo de trigo seja ingerido sempre cozido para reduzir esse risco.

LEIA MAIS – Doença parecida com celulite acomete mulheres e provoca acúmulo anormal de gordura

Por fim, vale a pena aumentar a ingestão de alimentos que reduzem a ansiedade e melhoram o humor. Para isso, Elaine sugere as frutas cítricas, pois atuam na redução do cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. Além disso, alimentos ricos em triptofano ajudam a aumentar a produção de serotonina, gerando sensação de bem-estar e regulando o humor. “Então, pode colocar no cardápio a banana, o leite, amêndoas, castanhas, nozes, peixes, espinafre e ainda o mel, a uva, aveia e alface, que agem no organismo como calmantes”, finaliza.