Uma pesquisa feita na Inglaterra mostrou aumento no número de crianças com problemas de linguagem. O estudo da Education Endowment Foundation (EEF) sugere que o isolamento social aplicado para combater o coronavírus teve influência no vocabulário e aprendizagem das crianças inglesas. A explicação seria que o isolamento privou os mais novos do contato social e de experiências que auxiliam no aumento e domínio do vocabulário. As informações são da BBC.

LEIA TAMBÉM – Governo do Paraná estuda retorno às aulas presenciais nas escolas estaduais em maio

Das 58 escolas primárias pesquisadas, 76% indicaram que os alunos que começaram o ano escolar em setembro de 2020 precisavam de mais apoio com a comunicação do que as crianças de anos anteriores. Quase a totalidade dos professores e escolas pesquisados (96%) também disse ter ficado preocupada com o desenvolvimento da fala e linguagem das crianças. A diretora-executiva da EEF, Becky Francis, ressaltou que os dados são evidentes e podem ter impacto futuro. “Há grande preocupação expressa pelas escolas sobre a fala e a linguagem das crianças após o impacto da pandemia”, disse.

LEIA MAIS – Paraná pode ter “passaporte covid” com proibições pra quem não se vacinar; veja a proposta

O governo britânico está ciente dos resultados da pesquisa e já anunciou um investimento extra de 18 milhões de libras, o equivalente a 135 milhões de reais, exclusivo para apoiar o desenvolvimento da linguagem nos primeiros anos de vida das crianças inglesas.