A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um comunicado na quarta-feira (28) alertando para a incidência de alguns casos raros da síndrome de Guillain-Barré (SGB) em pessoas que receberam a vacina contra a Covid-19 no Brasil. Segundo a agência, até o momento foram notificados 34 registros, sendo 27 de pessoas que receberam doses da AstraZeneca, quatro casos com a vacina da Coronavac e outros três com a vacina da Janssen.

“A SGB é um distúrbio neurológico autoimune raro, no qual o sistema imunológico danifica as células nervosas. Os episódios pós-vacinação (eventos adversos) também são raros, mas já conhecidos e relacionados a outras vacinas, como a da influenza (gripe)”, diz a nota da Anvisa. A maioria das pessoas se recupera totalmente do distúrbio.

LEIA TAMBÉM:

>> Curitiba retoma vacinação da 1ª dose e convoca pessoas nascidas em 1985

>> Pfizer diz que terceira dose da vacina pode proteger mais contra a variante delta

De acordo com a Anvisa, os sintomas da SGB são caracterizados pela sensação de dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores (pés e pernas) e, em seguida, superiores (mãos e braços). “Outra característica, percebida em pelo menos 50% dos casos, é a presença de dor neuropática (provocada por lesão no sistema nervoso) lombar ou nas pernas. Fraqueza progressiva é o sinal mais perceptível, ocorrendo geralmente nesta ordem: membros inferiores, braços, tronco, cabeça e pescoço.”

“As pessoas vacinadas devem procurar atendimento médico imediato se desenvolverem sinais e sintomas sugestivos de SGB, como visão dupla ou dificuldade em mover os olhos, dificuldade em engolir, falar ou mastigar, problemas de coordenação e instabilidade, dificuldade em caminhar, sensações de formigamento nas mãos e pés, fraqueza nos membros, tórax ou rosto, problemas com o controle da bexiga e função intestinal”, diz o órgão em nota.

Apesar de alerta, a Agência mantém a recomendação para a continuidade da vacinação com todos os imunizantes disponíveis no País, dentro das indicações da bula, uma vez que os benefícios da imunização superam os riscos. A Anvisa solicitou ainda que os laboratórios responsáveis pelas vacinas incluam a informação sobre o possível risco para a SGB.