Dá para manter a alimentação saudável no inverno, basta não ceder apenas a alimentos ricos em gordura, açúcar e carboidrato, diz a nutricionista Sophie Deram. “Gorduras e carboidratos também fazem parte de uma rotina alimentar de qualidade, o segredo é consumir mais alimentos in natura, comida mais caseira e diminuir ultraprocessados: não ceda a sopinhas prontas, caldos industrializados e comidas congeladas. Ideal é planejar para ter mais comida caseira e fresca à disposição, seja cozinhando, seja pelo delivery”, fala.  

LEIA TAMBÉM

> Muita fadiga e até alucinações: Covid longa tem mais de 200 sintomas associados

> Festival Bom Gourmet volta a Curitiba com pratos incríveis de mais de 60 restaurantes

>  Feiras de Inverno de Curitiba vão até 25 de julho e funcionam aos domingos

O metabolismo acelera no frio, causando mais fome para tentar manter a temperatura do corpo. “Respeite sua fome: não adianta apelar à salada se seu organismo quer algo mais completo e quente. Todos os alimentos são permitidos quando há equilíbrio, especialmente se os frescos e caseiros forem a base”, diz ela. Mesmo comidas vistas como “engordativas” são ótimas opções de refeição se usarem mais ingredientes naturais. Além disso, é preciso comê-las moderadamente, com regularidade, sem longos períodos sem se alimentar. “Sopas, cremes, risotos, tortas, purês, panquecas e massas são ótimas opções desde que consumidas de forma moderada e com respeito à fome e saciedade. Lembre que seu corpo precisa de energia”, diz.

Sophie diz que não depende do frio a pessoa ganhar ou perder peso, mesmo com mudanças no metabolismo. Tudo dependerá do equilíbrio entre aquilo que é consumido. “O metabolismo fica mais acelerado no frio justamente para tentar manter a temperatura do nosso corpo. Um corpo bem nutrido não sofre muita alteração de peso. O efeito sanfona é mais comum em quem está de guerra contra o corpo tentando controlar a comida, entra em ciclos de restrição e exagero e aí sim isso pode fazer engordar”, diz ela.

E como faz pra seguir se exercitando?

Além de abusar nas calorias e gordura, o inverno também distancia as pessoas das academias, parques e outros locais de prática de exercícios, seja por uma menor disposição, seja pelo aumento da preguiça. “Fisiologicamente, no frio o corpo sente mais dificuldade para despertar. Quando o corpo tem que se aquecer, a musculatura fica mais tensa, ao passo que quando recebe calor de fonte externa, como um cobertor, ele fica mais relaxado. Isso dificulta muito a decisão de pular das cobertas e sair para a prática de uma atividade física”, explica Cristiano Parente, eleito o melhor personal trainer do mundo em concurso realizado em 2014 em Nova York. Além da dificuldade em despertar, o corpo sente bastante o contraste entre as temperaturas ambientes.

VEJA TAMBÉMCinco receitas de quentão para provar nos dias mais frios

Para que o frio não espante as pessoas da prática de atividades físicas, é fundamental entender que o corpo precisa se movimentar todo dia, independentemente do clima. “Nosso corpo tem uma temperatura ideal de funcionamento. Nas épocas frias, é necessário aquecer as estruturas do corpo de maneira gradativa, até alcançarmos uma temperatura adequada para se movimentar com segurança e obter um bom rendimento”, afirma, assinalando a importância da hidratação no frio, para boa manutenção dos processos fisiológicos.

LEIA AINDA – Que tal uma sopa? Aprenda três receitas deliciosas para fazer neste frio

Para quem ama esportes e atividades aquáticas, encarar o frio do ambiente externo costuma ser a parte mais complicada, por causa daquela dificuldade do corpo de encarar o contraste entre temperaturas. Mas para Parente, há alternativas fora da água para que essas pessoas se mantenham ativas o ano todo. “Variar as atividades ao longo do ano, inclusive, é benéfico para o funcionamento harmonioso do corpo”, explica o treinador, assim como entender o benefício trazido em cada movimento executado. “Assim as baixas temperaturas não serão mais desculpa ou fator de desmotivação para essas sazonalidades”, conclui.