Gravuras, colagens, cultura asiática, máscaras africanas e ilustrações regionais. Os espaços culturais em Curitiba estão cheios de exposições! E o melhor de tudo: todas as exposições podem ser visitadas com entrada gratuita. Então, escolha o tema que mais te interessa e programe-se para visitar umas das exposições em cartaz na cidade.

LEIA TAMBÉM:

> Pistas de boliche automatizadas e espaço Dreams Games estreiam em shopping de Curitiba

> No mês do folclore brasileiro, Curitiba recebe espetáculo gratuito pra crianças

> Feira Volta ao Mundo, em shopping de Curitiba, tem produtos de oito países

MuMA

A exposição O Silêncio e a Eroticidade da Gravura no Museu de Municipal de Arte (MuMA) traz gravuras em metal, litogravuras, xilogravuras, além de monoprints e fotogravuras da artista plástica Uiara Bartira, considerada uma das maiores gravuristas do Paraná.

São 40 anos em 150 obras, ou seja, a mostra é representativa das diferentes fases da carreira da artista. Bartira é curitibana e estudou pintura com Fernando Calderari, outro grande nome da arte paranaense. Além disso, ela é formada em Pintura pela Escola de Música e Belas Artes (Embap) e se especializou em Nova Iorque.

Espaços culturais
Uiara Bartira celebra 40 anos de carreira com mostra no MuMA . | Divulgação

Por outro lado, quem for ao MuMA também poderá visitar as exposições O Sentido do Olhar, com leituras táteis e criações de Estela Sandrini, além de Pelo Direito de Amar Monstros, com a arte digital de Luciana Bastos Siebert. A entrada é gratuita e o uso de máscaras é obrigatório nas salas do museu.

Serviço:
O Silêncio e a Eroticidade da Gravura
MuMA – República Argentina, 3430 – Portão
Até 10 de novembro
De terça-feira a domingo, das 10h às 19h

Solar do Barão

O Centro Cultural Solar do Barão traz diversas opções para quem aprecia exposições artísticas. Primeiramente, a indicação é a mostra O Ilusionista no Museu da Gravura, um dos espaços culturais localizados dentro do Solar. A exposição é uma retrospectiva dos últimos 20 anos da carreira do artista plástico Pedro Goria, desenhista e pintor paulistano, há 50 anos radicado em Curitiba.

Espaços culturais
A exposição ‘O Ilusionista’ traz uma retrospectiva dos últimos 20 anos da carreira do artista plástico Pedro Goria. | Divulgação

Além disso, o Museu da Gravura conta com a exposição A Imagem Retroalimentada. São 28 trabalhos dos artistas Alan Amorim, Bonju Coelho e Mário de ​​Alencar. As criações unem colagem e outras alternativas estéticas, além de trazer novo sentido a tradicionais técnicas de impressão. As exposições do Museu da Gravura estão abertas de terça a domingo, das 12h às 18h.

Já na Gibiteca de Curitiba, também no Solar, é possível conferir a exposição O Álbum do Zequinha em homenagem ao palhaço criado em 1929 que estampava as Balas Zequinha. Há desde figurinhas icônicas dos anos 1970 e 1980, mas também esboços atuais, como Zequinha em home office ou tomando vacina, por exemplo. A entrada é gratuita e a visitação ocorre de terça a sábado, das 12h às 18h.

Serviço:
Solar do Barão
Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533 – Centro
Livres para todos os públicos
Entrada gratuita

MON

Por fim, não poderíamos deixar de fora as opções do Museu Oscar Niemeyer. São seis exposições em cartaz com os mais diversos temas, como África, Ásia e Luz, por exemplo. A exposição Radical, que fica em exibição até o dia 15 de agosto, traz uma imersão nas fotografias e instalações da artista Sonia Dias Souza.

Espaços culturais
As obras de Sonia Dias Souza em ‘Radical’ abordam as diferenças que formam nossa espécie. | Reprodução

Até o dia 15, também é possível visitar o conjunto de desenhos, intervenções, esculturas, figurinos, bem como máscaras do artista francês François Andres, intitulado A Travessia do Desastre. As obras foram criadas especialmente para a exposição no MON e representam um intercâmbio entre a cultura asiática e a brasileira.

Ainda no universo oriental, a exposição O Mundo Mágico dos Ningyos apresenta ao público uma coleção de bonecos japoneses. Eles representam longevidade, saúde, além de fertilidade aos recém-nascidos na cultura nipônica e atravessam 200 anos da história do país. Além disso, tem também a exposição Ásia: A Terra, Os Homens, Os Deuses, que traz uma diversidade de peças da Índia, Paquistãos e Afeganistão, bem como da China e do Japão.

Por outro lado, a exposição África, Mãe de Todos Nós: Conexão Entre Mundos reúne uma coleção de 20 máscaras elaboradas por artistas dos povos escravizados na América, como os punu, igbo, baulê e iorubá, por exemplo. Por fim, a mostra Luz = Matéria apresenta uma seleção de obras do acervo do MON que têm como ponto comum a luz de um lado e a materialidade de outro.

O MON fica aberto ao público de terça a domingo, das 10h às 18h. Os ingressos custam R$ 20 inteira e R$ 10 meia-entrada. Nas quartas-feiras, a entrada é gratuita.

Serviço: 
Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico
(41) 3350 4400
museuoscarniemeyer.org.br

Pantanal

Juma se recusa a colocar a aliança no dedo

Além da Ilusão

Abel invade a casa de Eugênio

Novidades da Netflix

Homem-Aranha e mais filmes e séries chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”